“Café Suspenso” destinado a carenciados chega à Mouraria, em Lisboa

A Associação Renovar a Mouraria vai contar com uma rede de parceiros, que trabalham no terreno.

Café pode ser usado como complemento à medicação dada aos doentes com Parkinson, diz estudo
Foto
Café pode ser usado como complemento à medicação dada aos doentes com Parkinson, diz estudo Foto: Rui Gaudêncio

O projecto denominado "Café Suspenso", em que alguém pode deixar pago um café, um galão, uma sopa ou uma sandes a pessoas carenciadas chega no sábado à cafetaria da Associação Renovar a Mouraria, em Lisboa.

Inês Andrade, responsável pela associação, disse nesta quarta-feira à Lusa que o projecto será posto em prática na cafetaria, prevendo-se que "seja expandido à Rota das Tasquinhas e Restaurantes da Mouraria".

A ideia é "quando alguém vem beber o seu café poder deixar pago outro café ou outra coisa qualquer. Essas contribuições saem registadas num quadro e as pessoas que mais necessitam podem consumir estes alimentos gratuitamente", explicou.

De forma a sinalizar as pessoas que mais precisam, a Associação Renovar a Mouraria vai contar com "uma rede de parceiros, que trabalham no terreno, na área dos sem-abrigo, toxicodependentes, pessoas em situação de vulnerabilidade social, pobreza ou solidão", acrescentou Inês Andrade.

"Para além da necessidade básica de subsistência, o projecto pretende ser um pretexto para que as pessoas criem hábitos de frequentar os espaços das associações, criem laços e se envolvam nas actividades de enriquecimento pessoal", afirmou.

Para Inês Andrade, "existe muita pobreza envergonhada, muitas pessoas que não conseguem assumir que estão a passar dificuldades e o objectivo é também chegar a essas pessoas".

Na Mouraria, em Lisboa, "um território de cerca de seis mil moradores, cerca de mil é população com necessidades", enumerou a responsável.

O conceito do "café suspenso" surgiu no sul de Itália, na cidade de Nápoles, e tem vindo, desde Maio deste ano, a ser implementado em Portugal por Mário Barros e dois amigos, que desafiaram a Associação Renovar a Mouraria a aderir.