Exclusivo: veja aqui o trailer do documentário sobre o radialista António Sérgio

Realizado por Eduardo Morais, Uivo conta a história de um dos mais influentes radialistas e divulgadores musicais portugueses, falecido em 2009.

António Sérgio foi radialista e divulgador musical. Foi a voz que, através de programas como Rotação ou O Som da Frente, formou e alertou mais que uma geração para a música mais exigente, expressão que lhe era cara, que ia fermentando mundo fora. António Sérgio, activo desde 1968, quando entrou na Rádio Renascença, e 2009, quando a morte o levou dia 1 de Novembro, aos 59 anos (ouvíamo-lo então no programa Viriato 25, na Radar), é uma figura ímpar da história da música moderna portuguesa.

Foi, por exemplo, fulcral para a geração que despertou musicalmente no final da década de 1970 com o punk e a new wave, de que foi o principal divulgador em Portugal. Ao mesmo tempo, a cadência da sua voz grave e as palavras que lhe ouvíamos tornaram-se inspiração para novas gerações de radialistas empenhados na divulgação musical.

Eduardo Morais, apesar de não ter crescido a ouvir os programas de António Sérgio, sabia de tudo isto. E queria conhecer mais. Há cerca de um ano, o realizador de Meio Metro de Pedra e de Música em Pó, explicava ao Ípsilon que, apesar do estatuto e da dimensão de António Sérgio, pouco conseguia encontrar sobre o seu percurso. Decidiu então ser ele próprio a contá-lo. Uma bem-sucedida campanha de crowdfunding, muita pesquisa em arquivos e 12 horas de entrevistas depois, o resultado é Uivo, documentário com estreia marcada para 1 de Novembro, quando se assinalam cinco anos sobre a morte de António Sérgio, no Palácio Foz, em Lisboa – passará depois por mais de vinte cidades, como Porto, Coimbra, Guarda, Guimarães, Caldas da Rainha, Aveiro ou Faro.

PÚBLICO -
Foto
António Sérgio nos estúdios da Rádio Renascença, no final da década de 1970, preparando mais uma emissão do programa Rotação. DR

Produzido de forma independente, tal como os documentários anteriores de Eduardo Morais, Uivo acompanha a vida de António Sérgio desde o nascimento em Angola até à chegada a Lisboa, em 1963, aos treze anos, acompanhando depois o seu percurso profissional através de depoimentos da família (a mulher Ana Cristina Ferrão ou os três filhos), de músicos (Zé Pedro, João Peste, Tó Trips ou António Manuel Ribeiro), jornalistas (Nuno Galopim, Jorge Mourinha, Ricardo Saló) ou colegas de rádio (João David Nunes, Luís Filipe Barros, Álvaro Costa, Nuno Calado, Henrique Amaro).