Porto vai ter uma nova imagem. E é azul

A Câmara do Porto apresenta na próxima segunda-feira a nova imagem da cidade.

Só na segunda-se se conhecerá a nova imagem do Porto
Foto
Só na segunda-se se conhecerá a nova imagem do Porto Fernando Veludo/Nfactos

Está lá tudo, embora possa não parecer à primeira vista. Coube o S. João, os Paços do Concelho, a francesinha, a Casa da Música, a Sé e Serralves, a sardinha, o eléctrico, as pipas do vinho do Porto e as pontes. Confuso? Nada disso. Na segunda-feira, a Câmara do Porto apresenta a nova imagem da cidade, desenhada pelo gabinete do premiado designer Eduardo Aires. O Porto vai abandonar o verde e voltar a identificar-se em azul.

Para ver o que Eduardo Aires e a sua equipa andaram a fazer nos últimos quatro meses terá de esperar por segunda-feira. Na terça-feira, então, já será difícil não esbarrar com a imagem. Os 600 mupis da autarquia vão encher-se dela, o Gabinete do Munícipe vai ostentar já o novo conceito (ou assim se espera), os novos sites da câmara e das empresas municipais deverão estar a funcionar com os novos símbolos visíveis e, se anda de metro, pode também cruzar-se com uma composição coberta deste novo Porto que a autarquia quer ver “embrenhado” na cidade. Aos poucos, com excepção das placas toponímicas que, para já, ficaram iguais, a sinalética verde implementada por Rui Rio irá desaparecer.

O director de Comunicação da autarquia, Nuno Santos, explica ao PÚBLICO que não houve a intenção de criar um novo logótipo para a cidade – embora ele também exista –, mas uma marca Porto. “Quisemos que nós, câmara, nos confundíssemos com a cidade, achando que esta cidade é sempre melhor e muito mais excitante do que a câmara municipal e os seus serviços”, diz.

Ao gabinete de Eduardo Aires, e a outros que foram auscultados, foi explicado que a solução a desenvolver teria de ser “muito simples”, com capacidade para “ser aplicada facilmente em diversos suportes” e “um sistema aberto”.

A equipa da White Studio, que tem sido distinguida consecutivamente com os mais importantes galardões do design, incluindo o Graphis, que Eduardo Aires descreveu como “o mini-Pritzker do designer”, juntou-se, debateu o pedido da autarquia e criou o conceito que será apresentado à cidade na próxima semana. E o azul, refere o artista, não tem qualquer conotação clubística – está antes relacionado com os típicos azulejos azuis e brancos que cobrem tantas igrejas da cidade e cuja estrutura serviu da base ao trabalho desenvolvido.

O “sistema aberto” criado pelo gabinete permite que esta imagem da cidade não seja estática e possa ser adaptada a novos eventos ou situações, fazendo-a crescer ou diminuir até não ser mais que um pormenor. E pode ser utilizada em diversos suportes.

Para já, a câmara vai disponibilizar, como produto próprio, sacos de pano e t-shirts com esta nova imagem portuense. Também está a ser produzido um livro sobre o conceito e o processo criativo e, lá para a Primavera, afirma Nuno Santos, a nova marca Porto deverá ultrapassar a fronteira e procurar afirmar-se internacionalmente.

Por cá, a autarquia não quer ser a única a apoderar-se da imagem, pelo que pretende disponibilizar “o [seu] licenciamento a custo zero”. Ou seja, se quiser produzir outro tipo de produtos com esta nova marca Porto poderá fazê-lo, sob supervisão da câmara, para que não haja qualquer subversão do conceito.

O custo global desta mudança de imagem ascende aos 75 mil euros – 20 mil para as novas plataformas informáticas da autarquia e de todas as empresas municipais, 20 mil para o desenvolvimento da nova marca da cidade e 35 mil para outros trabalhos desenvolvidos pelo White Studio em torno desta marca, nomeadamente, o livro. Nuno Santos diz que estes valores cabem no orçamento do Gabinete de Comunicação e que nem sequer fazem ultrapassar o orçamento anual, uma vez que a produção da revista municipal, com um custo, por ano, a rondar os 200 mil euros, está suspensa.