Esteve nas noites do Frágil? Espreite aqui

Bar-discoteca Lux lança site onde quer compilar fotografias e testemunhos das noites loucas do bar mais procurado nas décadas de 80 e 90 no Bairro Alto.

Fotogaleria
Telão a cobrir a fachada em 1983 Mónica Freitas
Fotogaleria
Miguel Esteves Cardoso e Carlos Quevedo em 1983 Mónica Freitas
Fotogaleria
Zoe Melo em 1993 Luísa Ferreira
Fotogaleria
Anamar, uma das famosas porteiras, em 1984 Mónica Freitas
Fotogaleria
Margarida Martins, neste tempo conhecida como Guida Gorda, em 1983, outra das caras conhecidas que abria a porta do bar Mónica Freitas
Fotogaleria
Pedro Cabrita Reis com a sua intervenção no bar Mónica Freitas
Fotogaleria
Multidão cá fora numa festa em 1993 Luísa Ferreira
Fotogaleria
Rita Barros, 1990 Luísa Ferreira
Fotogaleria
Rita Blanco e João Botelho Luísa Ferreira
Fotogaleria
António Variações em 1982 José Soares
Fotogaleria
Maria de Medeiros em 1988 Mónica Freitas
Fotogaleria
João Oliveira, 1984 Mónica Freitas
Fotogaleria
Manuela Gonçalves e Filipe Faísca em 1995 Luísa Ferreira
Fotogaleria
Al Berto, 1993 Luísa Ferreira
Fotogaleria
Tereza Coelho, Augusto M. Seabra, António Variações, 1983 Mónica Freitas
Fotogaleria
João Pinto Nogueira e Leonaldo de Almeida, 1985 Mónica Freitas
Fotogaleria
Fernando Salvador e Margarida Grácio Nunes. Ao centro, Zé da Guiné Mónica Freitas

Mais do que o Bairro Alto, revolucionou a noite lisboeta. Foi o ponto de encontro de artistas, jornalistas, políticos, intelectuais. Mais de 30 anos depois da sua abertura, é criado um site onde se podem ver algumas fotografias do tempo em que o Frágil era o local mais concorrido de Lisboa.

Foi em Junho de 1982, numa altura em que o Bairro Alto era então uma zona marginalizada, que na Rua da Atalaia abriu portas o bar que ajudou a definir os anos 80 portugueses e por onde passaram desejos de modernidade e cosmopolitismo. As noites do Frágil, que ainda agora são recordadas, inspiraram escritores, músicos e artistas.

“10 da manhã. Abro a janela. Acendo a rádio e nisto ouço a canção que ouvíamos e dançávamos no Frágil. Não sei o título da canção, nem quem a canta. Sinto-me longe daqui, por um instante”, escreveu Al Berto em Sines a 21 Julho 94 (Diários, Assírio & Alvim). O site do projecto pô-la como frase de abertura. Podia também estar a letra da canção "Frágil". de Jorge Palma: "Frágil/ Esta noite estou tão frágil/ Frágil."

Como Al Berto, muitos outros passaram por ali. Muitas histórias há para contar. É por isso que agora foi criado o fragil.luxfragil.com, para o qual todos são convidados a contribuir. “Existe para isso: mostrar, recolher, organizar e ampliar um arquivo de imagens, texto, e o que mais se for encontrando, sobre aqueles anos, naquele sítio”, lê-se no texto de apresentação do site, que periodicamente publicará mais material.

E vale tudo: fotografias, diapositivos, negativos, filmes, ou outros documentos e até memórias e testemunhos partilháveis. “Sem nostalgias vaidosas ou passadismos inúteis, achamos que esse material poderá ser uma base de dados útil para ajudar a perceber, a contar e a lembrar uma parte da história recente desta cidade, neste país”, lê-se no site.

Manuel Reis, o mentor do Frágil, deu por terminado o seu trabalho no Bairro Alto em 1997. Mudou-se para a beira Tejo e inaugurou em 1998 o Lux.