Misericórdia quer que "todos os lisboetas" passem a ir à Mitra

Antigo albergue para os mendigos e sem-abrigo vai ser transformado num centro de apoio social aberto à comunidade, à boleia de 12 Naus. O objectivo é "fazer esquecer o estigma de outros tempos", diz o presidente da Santa Casa, Santana Lopes

Fotogaleria
Catarina, de 80 anos, passa o tempo a tricotar "ninhos" de lã que só ela sabe fazer Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Pedro Santana Lopes quer "acabar com o estigma de outros tempos" associado à Mitra Rui Gaudêncio
Fotogaleria
O albergue da Mitra acolhe actualmente 76 utentes, sobretudo idosos Rui Gaudêncio

Este é o objectivo do projecto apresentado esta quarta-feira pelo presidente da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), Pedro Santana Lopes, na cerimónia que assinalou a transferência de terrenos e equipamentos do antigo Albergue da Mitra da Câmara de Lisboa para a Misericórdia, aprovada em Julho. A SCML tem desde 2011 a gestão do espaço, que baptizou de Centro de Apoio Social de Lisboa, mas só agora fica com a propriedade.

Para “deixar a Mitra irreconhecível” e assim “fazer esquecer o estigma de outros tempos”, vão ser investidos cinco milhões de euros na requalificação dos edifícios do asilo e da quinta envolvente, que ocupam cerca de dois hectares nas traseiras do Palácio da Mitra, classificado como monumento de interesse público.

Com o Programa Mitra, Santana Lopes espera criar respostas sociais para cerca de 500 pessoas mais vulneráveis, mas o projecto vai mais longe. “A nova Mitra será de todos e para todos, aberta à comunidade”, afirma, sublinhando que todos os lisboetas poderão ir à Mitraalmoçar, lanchar, deixar a roupa na lavandaria ou as crianças na creche. Para isso vão contribuir as 12 novas valências do espaço, que a SCML escolheu designar Naus, numa alusão às embarcações usadas pelos portugueses nos Descobrimentos.

Cada Nau é uma infra-estrutura que “transporta” uma resposta. Por exemplo, para crianças e jovens em risco haverá uma Nau Acolhimento de Emergência. Na Nau Lavandaria vai aproveitar-se a água da chuva para lavar a roupa usada na Mitra e nos equipamentos sociais vizinhos.

A Nau Quinta vai promover o cultivo hortícola, com a colaboração dos utentes. Na Nau Oficinas, utentes e visitantes poderão dar largas à criatividade, com recurso aos materiais doados à Mitra, criando produtos “apelativos ao mercado”. Segundo a SCML, a produção da quinta e das oficinas será disponibilizada na Nau Mercado de Santo António, em dias a definir. E haverá também uma Nau Comércio e Empresas, que explora o conceito de loja com um sistema de câmbio não-monetário, uma espécie de loja de trocas, onde os produtos são criados pelos utentes.

O projecto Nau Residências convida “utentes, beneméritos e visitantes” a “coabitar temporariamente naquele espaço, que promove activamente a integração social”, diz a Misericórdia. Santana Lopes prevê que as Naus estejam a funcionar na totalidade dentro de dois anos, mas as infra-estruturas vão abrindo à medida que estiverem prontas.

Nestes espaços não vai circular dinheiro. Para usufruir de serviços como a lavandaria, haverá um cartão que pode ser usado tanto por utentes como pelos visitantes que ali pretendam lavar a roupa, ou comer na Nau Restaurante, por exemplo.“Queremos que daqui em diante não se mande ninguém para a Mitra, mas sim que se queira ir para a Mitra de livre vontade”, afirmou o vereador dos Direitos Sociais na Câmara de Lisboa, João Afonso, na cerimónia de ontem.

A apresentação contou também com a presença do ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares, que destacou o carácter “francamente inovador” do projecto e o simbolismo associado às Naus. “Estas representam a capacidade da Santa Casa para descobrir o caminho para as pessoas em dificuldades”, afirmou.

Quando a SCML assumiu a gestão do centro, em 2011, viviam lá 160 pessoas. Algumas foram encaminhadas para outras unidades da Misericórdia e actualmente o espaço acolhe 76 pessoas, sobretudo idosos com dificuldades de mobilidade, alguns com deficiência.

Santana Lopes recordou o que viu na primeira vez que visitou o centro, em Janeiro de 2013. “Havia insuficiência de calor no edifício Tejo [onde dormem os utentes], tivemos de fazer uma intervenção de emergência.” As condições dos antigos armazéns, contíguos ao Edifício Tejo (mais recente) também deixam muito a desejar, com o reboco a cair das paredes de alvenaria. É ali que os utentes ocupam o tempo, entre trabalhos manuais e actividades lúdicas, coordenadas pela monitora Ana Maria Pereira.

Na oficina há quem faça trapilho para tapetes, renda, outros passam o tempo a colorir. “Uma senhora só corta papel” que serve depois para fazer candeeiros, diz Ana Maria Pereira. Na oficina aceitam-se voluntários, como António, que há quatro anos divide o tempo entre trabalhos de carpintaria e tudo o que aparecer. “Estamos sempre a pedir-lhe ajuda”, diz a monitora. António, de 41 anos, vive com o irmão fora da Mitra, mas é ali que se sente em casa.

Já Catarina, sentada numa cadeira de rodas a tricotar, passou ali os últimos 61 anos. Tem 80. Os “ninhos” que faz com a lã mais ninguém sabe fazer, garante Ana Maria Pereira. Os trabalhos estendidos em cima de uma mesa aguardam destino. Talvez possam ser vendidos quando abrir a Nau Mercado.

De fábrica de cortiça a asilo para mendigos

O Palácio da Mitra foi construído nos finais do século XVII para residência dos prelados de Lisboa. É daí que vem o nome Mitra, que designa a insígnia pontifical utilizada para cobrir a cabeça dos sacerdotes em cerimónias mais importantes. Em 1834, a quinta foi nacionalizada e desde então os espaços de apoio ao palácio tiveram vários usos. Ali funcionou uma fábrica de cortiça, fundada em 1889 pela empresa espanhola Fuertes Y Comandita, e que definiu parte da arquitectura do espaço. Em 1917 os armazéns passaram para a portuguesa Fábrica Seixas, que operava no ramo da metalurgia, fundição, caixotaria e tanoaria.

A Câmara de Lisboa comprou a propriedade à sociedade Seixas em 1930 e tinha um projecto para ali instalar um matadouro. A empreitada, porém, nunca chegou a avançar, com a câmara a optar por construir o matadouro em Beirolas.

Por indicação do então ministro da Guerra, o coronel Lopes Mateus, foi criado o Albergue da Mitra, inaugurado em Maio de 1933. Partiu da vontade do Estado Novo de eliminar das ruas e dos lugares públicos a aparência da miséria. Em 1940, Oliveira Salazar aprovava um decreto que determinava “que em todas as cidades sedes de distrito” fossem criados, na dependência da Polícia de Segurança Pública (PSP), albergues destinados a prevenir e reprimir a mendicidade em todo o país. O Albergue da Mitra tornou-se uma espécie de “prisão” para muitos daqueles que eram retirados à força das ruas pela PSP, deixando enraizada na população a imagem negativa associada ao local.

O albergue, tal como existiu durante o Estado Novo, acabou por ser extinto em 1960, mas ainda hoje, entre os lisboetas, muitos recordam a expressão “ir para a Mitra”, usada por vezes como ameaça, ou até insulto, dado estar associada a uma situação de decadência, que suscitava inevitável repulsa ou receio. Uma expressão que era também usada para afastar quem incomodava. O “vai para a Mitra” era usada como sinónimo de “não me chateies”. Mas só em Lisboa.