Em Rotherham, no Reino Unido, 1400 crianças foram sexualmente exploradas

Relatório fala em "crianças obrigadas a assistir a violações brutais e ameaçadas de serem as próximas caso contassem a alguém".

Os crimes ocorreram num período de 16 anos
Foto
Os crimes ocorreram num período de 16 anos MCT

Cerca de 1400 crianças foram exploradas sexualmente durante 16 anos em Rotherham, em South Yorkshire (Reino Unido), entre 1997 e 2013. Segundo um relatório divulgado esta terça-feira nos media locais, mais de um terço das crianças deveriam estar a ser vigiadas pelas agências de protecção de menores, mas as autoridades - políticas, civis e policiais - não agiram para as proteger.

O relatório, realizado por investigadores da autarquia, revela que antes deste estudo foram feitos outros três, que não foram divulgados. Os relatórios anteriores, do conhecimento da sautoridades políticas e policiais, foram redigidos entre 2002 e 2006. Um foi arquivado porque os mais altos responsáveis da cidade não acreditaram nas informações ou por as considerarem exageradas. Os outros foram simplesmente ignorados.

O documento cita funcionários de Rotherham a dizerem que recearam falar no assunto por medo de serem acusados de racismo, uma vez que a maior parte dos abusadores eram homens asiáticos. "Vários funcionários descreveram ter ficado nervosos quanto à identificação [dos abusadores] por receio de serem considerados racistas, outros relataram ter recebido ordens directas dos seus superiores para não o fazerem", diz o documento.

O estudo denuncia as falhas da liderança política de Rotherham ao longo dos primeiros 12 anos e Alexis Jay, que redigiu o documento, disse que a gravidade do problema foi minimizado pelos responsáveis políticos e não foi visto como prioridade pela polícia de South Yorkshire. A polícia "olhava com desprezo para as crianças vítimas de abusos".

O documento é claro ao afirmar que houve "flagrantes" falhas colectivas. E o presidente da autarquia, Roger Stone, no cargo desde 2003, demitiu-se. "Perante este relatório creio que é justo que eu, como líder, assuma a responsabilidade".

Alexis Jay disse ter encontrado exemplos de "crianças que tinham sido mergulhadas em gasolina e ameaçadas de serem incendiadas, ameaçadas com armas, obrigadas a assistir a violações brutais e ameaçadas de serem as próximas caso contassem a alguém". Jay diz que os menores foram violados por várias pessoas, traficados para outras cidades no Norte da Inglaterra, sequestrados, espancados e intimidados."Uma menina de 11 anos foi violada por vários homens".