Torne-se perito

Polanski já não vem a Locarno e a polémica volta a instalar-se

O cineasta polaco declinou o convite do festival para evitar a controvérsia política levantada pela direita suíça ao longo dos últimos dias.

Polanski está em "detenção provisória aguardando extradição"
Foto
Polanski

Roman Polanski, afinal, já não vem ao festival de Locarno, reabrindo uma polémica que passara para segundo plano há alguns dias. O controverso cineasta polaco, actualmente radicado em França com a esposa Emmanuelle Seigner e ainda ensombrado pela sua condenação pela justiça americana por abuso sexual de menores, optou por declinar o convite feito pelo presidente Marco Solari e pelo director artístico Carlo Chatrian.

Numa mensagem enviada ao festival e divulgada ao início da tarde de terça-feira, Polanski diz-se "profundamente entristecido por vos desiludir". 

"Lamento informar-vos que, tendo considerado a medida em que a minha presença anunciada no festival de Locarno provoca tensões e controvérsias entre aqueles que se opõem à minha visita, embora respeite as suas opiniões, é com um peso no coração que devo cancelar a minha visita," reza a mensagem que Polanski, em italiano, dirigiu aos responsáveis do certame.

As tensões e controvérsias referidas na mensagem resultam de uma série de declarações de políticos do cantão do Ticino (Suíça italiana) que consideravam inaceitável o convite do festival ao cineasta polaco. Na cerimónia de abertura, o presidente Marco Solari deixara bem claro o apoio das autoridades federais suíças ao festival, sublinhando inclusive o aumento da contribuição estatal para o orçamento do evento, bem como o princípio de liberdade artística absoluta e de não-interferência política nas decisões artísticas - no que foi aliás significativamente aplaudido pelo público. E assumira a responsabilidade do convite a Polanski, evocando as tradições democráticas e de acolhimento da Suíça bem como a evidência de, perante a lei suíça, o cineasta continuar a ser um homem livre. 

Recordemos que Polanski foi condenado em 1978, à sua revelia, por um tribunal de Los Angeles por ter mantido relações sexuais com uma jovem de 13 anos, num caso ainda hoje rodeado de controvérsias e imprecisões; e que, entre Setembro de 2009 e Julho de 2010, o cineasta esteve sob prisão domiciliária no seu chalet de Gstaad, na sequência de um pedido de extradição das autoridades judiciais americanas relativo àquele caso, e que acabaria por ser indeferido pelos tribunais suíços.  

Em resposta ao cancelamento de Polanski, o festival considera ter sofrido "um revés" resultante de uma "inaceitável interferência de algumas pessoas na liberdade artística" do certame. O crítico Carlo Chatrian, que assumiu em 2013 a direcção artística do festival, fala num depoimento em vídeo - divulgado ao princípio da tarde - de se tratar do "dia mais negro desde que me convidaram para dirigir o festival". 

 "Entristece-me que a ideia do festival como lugar de encontro e de discussões sofra hoje um tal golpe", continua Chatrian, lamentando que "o público do festival fique privado de um encontro com um artista extraordinário, que havia abraçado a nossa proposta de dar uma grande lição de cinema". Polanski viria apresentar, na noite de quinta (14), o seu mais recente filme, Vénus de Vison, no ecrã ao ar livre da Piazza Grande, e dar uma master-class na tarde de sexta (15).

 Reconhecendo que a liberdade de expressão é um valor inatacável, Chatrian fez questão no seu depoimento de apontar que "algumas posições ultrapassaram os limites e, através da violência verbal e da distorção da realidade, se tenham tornado em ataques inaceitáveis à dignidade da pessoa." 

O deputado Fiorenzo Dadò, do partido democrata-cristão PPD, escrevera na rede social Facebook que "a pedofilia não é igual para todos", em referência à condenação. Outros representantes oriundos de partidos de direita e extrema-direita (nomeadamente a Liga do Ticino e o Partido Popular Suíço) acusaram o festival de trazer Polanski como "manobra mediática" para evitar que se questionassem as escolhas criativas do certame.

Ao saber do cancelamento de Polanski, o governante socialista Manuele Bertoli, responsável pela cultura e pela educação do cantão do Ticino, declarou hoje que "o dia em que a política se intrometer no festival equivalerá à sua morte, e isso é algo que devemos evitar em absoluto". Em declarações à estação de televisão TeleTicino, Bertoli considerou que é uma má notícia para a região, porque dará ao mundo a ideia de que "o Ticino não está pronto para receber uma individualidade como esta", afastando os holofotes da importância cultural do festival de Locarno para se concentrar sobre um fait-divers.

 No seu depoimento, Chatrian avança esperar que "esta ocasião não seja uma vitória daqueles que desejam aproveitar-se do festival mas se torne numa plataforma para o relançar como espaço de liberdade e local de acolhimento."

Sugerir correcção