David Lynch dá-nos mais 90 minutos para entender a morte de Laura Palmer

Caixa com toda a série Twin Peaks , o filme Os Últimos Sete Dias de Laura Palmer e ainda 90 minutos inéditos, é lançada esta semana.

Foto
A capa da caixa que contém os 90 minutos inéditos da história de Laura Palmer CBS Home Enterteinment

São peças que faltavam no gigantesco puzzle da vida e morte violenta de Laura Palmer: perto de 90 minutos inéditos, com cenas que o realizador David Lynch filmou mas não chegou a utilizar nem na série televisiva Twin Peaks (1990), nem em Fire Walk With Me – Os Últimos Sete Dias de Laura Palmer , o filme-prequela que estreou em 1992.

Na próxima terça-feira é então lançada Twin Peaks: The Entire Mystery, uma caixa com uma nova edição em Blu-ray que inclui o material já conhecido e as "missing pieces".

Dia 17, Lynch apresentou estes excertos numa sala de cinema em Los Angeles a um grupo de jornalistas, fãs, actores e para a equipa do projecto. São peças que faltavam, mas não são todas as peças que faltavam, por isso não se espere venham dar resposta às muitas perguntas que sobraram desde que a história da adolescente loura encontrada morta dentro de um saco de plástico terminou – ou será mais correcto dizer foi interrompida? – em 1992, depois da estreia de Fire Walk With Me

O que as “peças que faltavam” mostram são momentos, não necessariamente ligados por uma lógica narrativa, que Lynch tinha filmado com a intenção de incluir no filme e que acabou por deixar de lado durante a montagem. No caso de Fire Walk With Me, são sobretudo cenas com as outras personagens da série, que quase desapareceram da versão final do filme, com o realizador a optar por se centrar apenas na personagem de Laura Palmer e nos acontecimentos da sua última semana de vida, antes de ser assassinada. Aqui reaparecem muitas das estranhas figuras que habitam a aparentemente pacata cidade de Twin Peaks – e os seus universos paralelos.

Contam os jornalistas que assistiram às "missing pieces" que estas incluem uma cena em que Laura está à mesa com o pai e a mãe, e todos riem, num raro momento de uma certa normalidade num mundo em que nada era normal; outra em que Laura implora por cocaína; uma em que fica enfeitiçada por uma ventoinha no tecto da sua casa e ouve uma voz a chamá-la; e várias outras sequências com diferentes personagens, da mulher do tronco ao anão que fala ao contrário, e incluindo, por exemplo, o atormentado Phillip Jeffries, interpretado por David Bowie.

Numa entrevista ao jornal britânico The Guardian, Lynch explica porque é que esperou 22 anos para regressar a Twin Peaks. A série, que se estreou em 1990 no canal norte-americano ABC, teve apenas duas temporadas (passou também durante a década de 1990 em Portugal, na RTP, tendo mais recentemente passado também na SIC Radical). Apesar do sucesso imediato da primeira, na segunda temporada a narrativa começou a perder qualidade, os autores foram pressionados a revelar a identidade do assassino de Laura Palmer e desentendimentos levaram a ABC a decidir não continuar.

Lynch, por seu lado, ficou com vontade de prosseguir a história, mas decidiu centrá-la no período imediatamente anterior ao do início da série, a tal semana que conduziu à morte da adolescente. Fire Walk With Me, que estreou em 1992, não foi bem recebido pela crítica. Mas o realizador diz que, apesar disso, gosta do filme “e quando fazemos alguma coisa em que acreditamos e ela não corre bem, não há problema; o problema é quando nos vendemos, como fiz com Dune [1984], e as coisas não correm bem”.

Duas décadas passadas, contou ao Guardian”, “foi óptimo regressar àquele mundo, juntar as cenas e viver com aquelas pessoas outra vez”. Fê-lo agora em parte porque havia uma pressão dos fãs, que sabiam que existiam cenas não utilizadas, e, por outro lado, porque demorou oito anos a negociar questões de direitos.

Esta edição surge alguns meses depois de ter começado a correr a notícia de que Lynch tinha lançado um anúncio de casting pedindo uma morena e uma ruiva bem constituída e atraente para uma “promo de Twin Peaks”. O anúncio, que foi rapidamente retirado, lançou a especulação sobre se estaria a ser preparado um regresso à série, até porque não era a primeira vez que se falava na eventualidade de uma terceira temporada – no entanto, na altura Lynch nada revelou.

Na entrevista ao diário britânico, o realizador mantém o suspense. Quando o jornalista lhe pergunta se admite criar outras histórias para Twin Peaks, responder: “Noutra vida, sim”. E, perante a insistência daquele sobre se nesta vida há alguma possibilidade de isso acontecer, larga um “como costumo dizer, nunca digas nunca”.

No início do ano, quando surgiram os rumores de que Lynch poderia voltar a filmar esta história, vários sites recordaram a frase que Laura Palmer sussurra ao agente do FBI Dale Cooper no primeiro episódio: “Vemo-nos daqui a 25 anos”.