Fernando Pinto promete regularizar operação da TAP em Agosto

Face aos atrasos e cancelamentos, presidente da companhia viu-se obrigado a deixar uma mensagem no YouTube.

Fernando Pinto, presidente da TAP, destaca eficiência do grupo
Foto
“Tivemos um atraso na recepção dos [seis] aviões, também um atraso na formação, sobretudo de tripulantes", justificou o gestor Miguel Manso

O presidente da TAP garantiu nesta quarta-feira que a operação da transportadora aérea, que tem sido perturbada por cancelamentos e atrasos nas últimas semanas, será regularizada em Agosto. A promessa foi deixada numa mensagem publicada no YouTube, em que pede desculpas aos passageiros.

No vídeo, Fernando Pinto assegura que o último avião encomendado pela companhia, de um total de seis cuja entrega está atrasada, chegará "no final de Agosto". Dois estão em operação e um terceiro entrará "esta semana", referiu o gestor, acrescentando que outros dois chegarão "por volta de 10 de Agosto". A companhia prolongou até ao final do próximo mês o “aluguer de equipamentos fretados por precaução", explicou.

A mensagem foi deixada depois de uma sucessão de episódios, com atrasos, cancelamentos de voos e problemas técnicos nos aviões. O presidente da TAP aproveitou para se dirigir directamente aos passageiros: "Pedimos desculpas", disse. "É um custo do crescimento. Vamos ultrapassar todos estes problemas que temos e chegar lá com uma empresa ainda mais forte", disse.

Fernando Pinto justificou os incidentes das últimas semanas com uma conjugação de vários factores, a começar pelo "crescimento acima do normal" que a transportadora aérea tem tido, e esclareceu que, fruto do Mundial realizado no Brasil, "não houve condições para recolocar clientes" em voos alternativos porque "havia uma procura muito grande".

Além disso, referiu que a operação também foi perturbada por "greves no espaço aéreo", referindo-se à paralisação dos controladores franceses. E admitiu um "atraso" na formação de tripulantes e de pilotos. Em parte, o presidente da TAP responsabilizou o Governo por essa demora.

"Houve primeiro um atraso até ter aprovação final para que viessem", afirmou, numa referência aos meses que a companhia teve de aguardar por luz verde das Finanças para contratar novos trabalhadores.

No vídeo, o gestor brasileiro, desde 2001 à frente dos comandos da TAP, também deixa uma mensagem aos funcionários. "Têm trabalhado bastante para ultrapassar uma fase que está a ser fora do normal. Só tenho de agradecer porque realmente tem sido um grande trabalho", referiu.

Causas do acidente identificadas
Quanto ao incidente do passado sábado, em que duas viaturas e uma habitação em Camarate ficaram danificadas depois de terem caído peças de um avião da TAP que voava com destino ao Brasil, Fernando Pinto explicou que se ficou a dever a uma "falha de uma palheta na turbina de alta do motor", acrescentando que "esse motor não é responsabilidade da manutenção da TAP".

O presidente da companhia, cuja privatização tem sido sucessivamente adiada, aproveitou ainda para defender que os problemas registados nas últimas semanas não se devem à perda de trabalhadores a que tem assistido nos últimos anos, especialmente da área da manutenção. Fernando Pinto assumiu que a empresa "perdeu 50 técnicos", muito pelas "restrições do Orçamento do Estado", mas que os funcionários que hoje se encarregam destas funções "já têm a experiência necessária".