D'Alva
Foto
D'Alva

D’Alva entre gospel e “hashtags”

No Optimus Alive, Alex D’Alva Teixeira e Ben Monteiro vão pôr o Passeio Marítimo de Algés a dançar, com dois concertos que prometem gospel, "hashtags" e muita cor

No Optimus Alive, os D’Alva vão actuar duas vezes em contextos completamente diferentes. Em entrevista ao P3, Ben Monteiro conta que foram desafiados para "fazerem algo especial" no segundo dia do festival. Assim, surgiu a ideia de juntar o gospel ao pop exótico da dupla. Entre as sonoridades cariocas e africanas, “um coro gospel traz muita cor porque tem uma textura sonora muito diferente, muito ágil”, justifica Ben.

A actuação dos D’Alva com Gospel Collective está marcada para 11 de Julho, no palco NOS Clubbing, às 19h15. Mas quanto a surpresas não há prognósticos. “Com mais dez pessoas em palco, nem nós sabemos bem o que esperar”, confessa Ben. “Também vamos ser surpreendidos.”

No dia seguinte, o concerto vai ser num formato mais simples: o D’Alva Redux, uma mistura de live act com dj set, em que o alinhamento promete ser bastante dinâmico. “Nós queremos que o concerto seja um momento em que as pessoas se esquecem de tudo e não ficam só a assistir. Também fazem parte”, explica Ben. Sábado, no Palco RAW Coreto às 23h30, a dupla garante que "não vai deixar a dança de fora”.

PÚBLICO -
Foto
DR

Entre o vinil e o mp3


Os D’Alva existem há pouco tempo e, em palco, actuaram duas vezes juntos, mas Ben assegura que já estão a praticar há mais de um ano. Um concerto do colectivo “é cardio, é muito cardio”, brinca.



Com uma década de diferença entre Alex e Ben, os D’Alva encontram-se algures entre o vinil e o mp3. “É isso que faz a nossa música. Eu trago alguma escola. O Alex traz o que está a acontecer agora e o que vai acontecer a seguir.” Internet, "hashtags", vídeos cheios de cor são uma parte vital do universo D’Alva.

Em Maio, a NOS Discos acolheu o álbum #batequebate, disponível para download gratuito. Para a dupla, esta é uma enorme vantagem. “Nós queremos é que as pessoas oiçam o disco o mais depressa possível”, afirma Ben, ao explicar que, assim, acabam por atrair mais pessoas.

Texto editado por P3