Centro de negócios para empresas portuguesas abriu em São Paulo

As empresas portuguesas que queiram investir no Brasil têm, a partir de agora, em São Paulo à sua disposição o Centro+Negócios, da Câmara Portuguesa, um "escritório" totalmente equipado e onde podem nos primeiros tempos exercer actividade a baixo custo.

O centro foi inaugurado esta terça-feira pelo ministro da Economia português, António Pires de Lima, e pelo presidente da Câmara Portuguesa, Ricardo Espírito Santo, a entidade responsável pelo projecto em São Paulo, em parceria com a Casa de Portugal. A iniciativa conta ainda com o apoio institucional do Consulado Geral de Portugal em São Paulo e da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

O presidente da Câmara Portuguesa, em São Paulo, explicou que a ideia de criar um centro de negócios que desse apoio às empresas portuguesas recém-chegadas e que querem montar um negócio surgiu há cerca de dois anos "em conversas entre os membros e associados" daquela entidade.

"Apercebemo-nos que muitas empresas chegam aqui ao Brasil e andam a bater à porta umas das outras para tentar arranjar contactos, apoiando-se obviamente nas empresas portuguesas já existentes. Muitas pedem-nos ajuda, para contactar um advogado ou um contabilista ou um lugar para se instalarem", contou Ricardo Espírito Santo.

O Centro+Negócios representa um investimento de 60 mil euros, e as empresas podem fazer deste espaço o seu próprio escritório durante períodos que vão de uma semana até seis meses, o que, de acordo com o responsável da Câmara Portuguesa, é "obviamente flexível".

Segundo Ricardo Espírito Santo, o valor do aluguer "é pequeno e razoável" - uma semana 500 reais e um mês 1000 reais. Por esta quantia, têm acesso a um posto de trabalho com Internet, telefone e ao apoio das empresas que prestam serviços à Câmara Portuguesa, como empresas que tiram vistos de residência, de contabilidade, escritórios de advocacia e recursos humanos.

Os empreendedores também terão à disposição os benefícios oferecidos aos associados da Câmara Portuguesa, como acesso a um conjunto alargado de informações e estudos sobre o mercado e a uma rede de networking formada por possíveis parceiros, fornecedores e clientes.

O novo centro está aberto a qualquer empresa, desde que esta seja associada da Câmara Portuguesa. Ricardo Espírito Santo explica porquê: "Somos uma entidade sem fins lucrativos e portanto só podemos prestar serviços aos nossos associados".

Por sua vez, o presidente da AICEP, Miguel Frasquilho, frisou que "este é mais um passo que a AICEP também deu no Brasil para facilitar a vida às empresas, que ali chegam e não dispõem de grandes condições". "É uma iniciativa que será muito positiva para o futuro e que não existia até agora para as empresas que se queriam instalar e internacionalizar para o Brasil", disse.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações