Mohave desiste de procurar petróleo e gás em Portugal

Empresa texana não tinha financiamento para continuar as operações.

Em 2012, tinha sido anunciado um investimento de 230 milhões
Foto
Em 2012, tinha sido anunciado um investimento de 230 milhões JEFF PACHOUD/AFP

Mais de duas décadas depois de ter iniciado actividade em Portugal, a texana Mohave Oil&Gas Corporation desistiu de tentar explorar petróleo e gás no país. Dificuldades de financiamento levaram a que a empresa decidisse encerrar as operações e entregar as concessões que tem.

Um comunicado emitido nesta terça-feira pela Porto Energy Corp, também com sede no Texas e dona da Mohave, especifica que os administradores das duas empresas se vão demitir nesta sexta-feira e que será dado início ao processo de saída da Porto Energy da bolsa canadiana TSX Venture Exchange.

“A empresa foi incapaz de atrair interesses de investimento nas concessões em Portugal. A empresa acredita que isto se deve sobretudo à falta de produção de petróleo ou gás em Portugal”, refere o comunicado. A Porto Energy acrescenta que teve recentemente contacto com dois potenciais investidores, que não são identificados, um dos quais estaria interessado em comprar parte da Mohave e o outro em operar em algumas concessões. A empresa, porém, não conseguiu levar as negociações a bom porto.

Ainda em 2012, o então ministro da Economia Álvaro Santos Pereira tinha anunciado que a Mohave, numa parceria com a Galp, faria um investimento de 230 milhões de euros ao longo de cinco anos. Na altura, a empresa previa extrair oito mil barris de petróleo por dia numa concessão na região de Aljubarrota. Em Junho de 2013, a Galp exerceu o direito de opção para se tornar o operador desta concessão, designada Aljubarrota-3, o que significa que esta empresa passou a determinar a estratégia de exploração, embora a concessão fosse detida em partes iguais pelas duas companhias.

O presidente da câmara de Alcobaça, concelho onde a Mohave estava a explorar o subsolo, afirmou à agência Lusa que, existindo recursos, haverá empresas interessadas em explorá-los. "Havendo recursos eles não vão desaparecer e outras empresas que se interessem pela sua exploração poderão aparecer", disse Paulo Inácio.

A Mohave tem participações em sete concessões na denominada Bacia Lusitana no Oeste - Zambujal, Cabo Mondego-2, São Pedro de Moel-2, Aljubarrota-3, Rio Maior-2, Peniche e Torres Vedras -, cobrindo uma área bruta de 6475 quilómetros quadrados.

Sugerir correcção