Ricardo Araújo Pereira apoia Livre para viabilizar “combinações à esquerda”

O humorista entra na campanha das eleições europeias com uma mensagem de apoio ao eurodeputado Rui Tavares.

Foto
Enric Vives-Rubio

Já era tempo de os portugueses poderem candidatar-se a eleições sem estarem reféns de uma direcção partidária. Esta é uma das ideias que Ricardo Araújo Pereira vai usar para justificar o apoio que decidiu dar ao partido Livre e à reeleição de Rui Tavares como deputado europeu.

A dirigente do Livre Marta Loja Neves confirmou ao PÚBLICO que o humorista gravou um tempo de antena que irá para o ar na SIC na próxima terça-feira. Durante cerca de dois minutos, Ricardo Araújo Pereira, que não tem filiação partidária, justifica a opção com a crença de que o Livre “viabiliza novas combinações à esquerda”. Uma esquerda, diz, “que não abdique dos seus princípios, mas que não atire a governação para os braços da direita."

O Livre foi o primeiro partido em Portugal a realizar eleições primárias abertas a militantes e cidadãos em geral, desde que de acordo com os princípios do partido. A maioria dos votos recaiu em Rui Tavares, eurodeputado eleito nas listas do BE, em 2009, que é agora o cabeça de lista às europeias. Esse processo é elogiado por Ricardo Araújo Pereira, ao afirmar que, “passados 40 anos, já era hora dos portugueses poderem não só eleger, mas também serem candidatos sem dependerem de uma direcção partidária. O Livre tem uma lista de cidadãos escolhida por cidadãos”.

Segundo o PÚBLICO apurou, esta será a única contribuição de Ricardo Araújo Pereira para a campanha eleitoral, o que significa que o humorista não deverá aparecer no terreno ao lado de Rui Tavares. Mas justifica o apoio com as provas dadas pelo eurodeputado ao longo de cinco anos de trabalho em Bruxelas.

“Eleger um eurodeputado do Livre é um passo para que estas alterações comecem finalmente a fazer-se. E, sobretudo, é votar num partido que já teve a coragem de fazer diferente e num candidato que já provou, com o seu trabalho, que leva muito a sério aquilo que faz no Parlamento Europeu", diz Ricardo Araújo Pereira.

No final, termina com um apelo directo ao voto no Livre: "Portugal elege 21 deputados em 751. É importante, crucial, escolhê-los bem. Eu quero que um desses deputados seja Rui Tavares. Por isso no dia 25 eu voto Livre."

Marta Loja Neves sublinha a importância deste apoio. “Acreditamos que este apoio tem muita relevância e que os termos em que ele é dado farão avançar significativamente o debate sobre os temas da política portuguesa, na esquerda em particular”, disse ao PÚBLICO.

Governo condiciona europeias
No dia em que os partidos trouxeram para a campanha eleitoral o fim do programa de assistência económica e financeira, o Livre considerou que o Governo, ao realizar um conselho de ministros extraordinário, condicionou o debate e deslocou a atenção dos portugueses para uma “acção de propaganda”.

“17 de maio de 2014 não simboliza mais do que a continuação da austeridade prolongada presa à canga de um tratado orçamental que nos impele ao aprofundamento do empobrecimento”, diz o partido em comunicado neste sábado. Agora, é precisa uma "alternativa à esquerda" que seja capaz de passar do diagnóstico para um programa de governo.