Preço das casas de luxo em Lisboa aumenta 54% influenciado pelos vistos gold

Aumentos mais elevados verificam-se na zona do Parque das Nações e da Baixa de Lisboa.

Foto
Taxa máxima de IMI é aplicada por poucas autarquias. Enric Vives-Rubio

O valor de 2013 supera os preços que se verificavam antes da crise, que se situavam em 3700 euros por metro quadrado, no terceiro trimestre de 2008.

De acordo com a Confidencial Imobiliário, “este resultado terá sido influenciado pelas compras para efeitos de vistos gold, mecanismo que dá direitos de residência em Portugal a quem fizer investimentos imobiliários a partir de 500 mil euros, já que foi notório em apenas algumas zonas da cidade, nomeadamente as mais caras e que têm registado maior procura por parte de compradores estrangeiros”.

De acordo com os dados do SIR – Sistema de Informação Residencial para a Área Metropolitana de Lisboa (AM Lisboa), o Parque das Nações e a Baixa de Lisboa são as duas zonas que mais se destacaram na venda de imóveis habitacionais de luxo, com os preços médios de alienação no segmento mais alto do mercado a atingirem perto de 6000 euros por metro quadrado e 6800 euros por metro quadrado, respectivamente.

No Parque das Nações, uma das localizações de investimento em imobiliário de luxo preferida pelos estrangeiros, especialmente chineses, este preço cresceu 78% face aos 3300 euros por metro quadrado a que, em média, se vendiam as casas de gama alta nesta zona em 2012, adianta o SIR.

No caso da Baixa lisboeta, que tem sido objecto de procura para edifícios reabilitados, a subida de preços na gama alta já se vem fazendo sentir desde 2012, sendo 2013 um ano de consolidação e não de crescimento exponencial.

De acordo com as empresas que participam no SIR para a AM Lisboa, o preço médio de venda das casas foi de 1805 euros por metro quadrado em 2013, o que evidencia uma descida de 21% face aos valores de 2008.

De notar ainda que o ritmo de queda dos preços de venda da habitação no mercado de Lisboa tem vindo a abrandar, especialmente desde 2011. A queda anual registada em 2013 foi de 3,2%, quando em 2011 havia sido de 6,2% e de 5,4% em 2012.

Ricardo Guimarães, director da Confidencial Imobiliário, explica que, no momento actual, o mercado está “partido”. “Temos, por um lado, o mercado doméstico, que está a estabilizar, com descidas cada vez menores de preços, e, por outro, o mercado objecto da procura para efeitos de obtenção de vistos, que está numa rota de escalada de preços”.

O SIR – Sistema de Informação Residencial é uma base de dados desenvolvida e gerida pela Confidencial Imobiliário, através do qual esta entidade trata informação das vendas de habitação das principais imobiliárias a nível nacional, produzindo estatísticas sobre preços efectivos de transacção.