Opinião

A Galiza e o estranho mundo da lusofonia

Agora que Teodoro Obiang prepara a adesão da sua ditadura equatorial à CPLP, o que deve suceder lá para o Verão, surge a notícia de que a Galiza aposta no ensino do Português para estreitar laços com os países da lusofonia. Ora a Galiza, região de Espanha com privilegiadas relações com Portugal, nunca precisou de truques para selar essa proximidade. Foi lá, até, que José Afonso estreou Grândola, vila morena, e não no Alentejo, em Lisboa ou no Porto. E quem diz ele diz milhares de portugueses, ou de galegos, que estreitaram laços sem pensar em leis. Mas agora é com força de lei que o Português integra o ensino obrigatório na Galiza e isso há-de ser aplaudido com euforia pelos que ambicionam ver a Galiza como parte da CPLP, alterando-lhe os estatutos para também receber regiões (o ensino do português ajudará essa “causa”). Mas nada melhor, entre Portugal e Galiza, do que uma relação de respeito recíproco e em total liberdade.