Seguro diz que recuperação dos salários e das pensões são a prioridade de um Governo PS

Secretário-geral socialista defende Serviço Nacional de Saúde “não por capricho”, mas por “opção ideológica”.

António José Seguro garantiu este sábado, no Porto, ser possível "equilibrar as contas públicas” e assumiu que a sua prioridade quando o PS for Governo é a "recuperação do rendimento e dos salários e das pensões", garantindo que nele "mora um candidato a primeiro-ministro que só promete aquilo que pode cumprir".

Falando na sessão de encerramento do debate "Um Novo Rumo para a Saúde", que decorreu no edifício da Alfândega no Porto, Seguro acusou o Governo tem uma "agenda escondida de cortes de cerca de dois mil milhões de euros", que, disse, só será aplicada depois das eleições para o Parlamento Europeu.

Num registo já de pré-campanha, o líder socialista declarou: "Nós queremos parar com os cortes, que já deviam ter parado há muito tempo, e iniciar a recuperação dos salários e das pensões dos portugueses. Ao invés, o Governo não pára de cortar e tem uma agenda escondida de cortes de cerca de dois mil milhões de euros que se prepara para aplicar após as eleições europeias".

"Ainda hoje um jornal dá conta de que o Governo se prepara para rever as tabelas salariais dos trabalhadores da função pública, retirando-lhes mais do que 5% no ano de 2015. É preciso parar com os cortes. Isto não é maneira de governar um país", declarou o dirigente socialista, referindo-se a uma noticia publicada na edição deste sábado do semanário Expresso.

Grande parte do seu discurso foi dedicado à saúde, uma área que não pode contar com orçamentos anuais. “Para a política de saúde não pode haver orçamentos anuais. Tem de haver uma visão. A ordem não é primeiro as finanças públicas e depois as pessoas. A ordem é exactamente o contrário. Há uma diferença entre cortes e reformas. A nossa reforma no SNS tem como prioridade as pessoas e não as folhas de excel", observou.

Elogiando o criador do Serviço Nacional de Saúde, António Arnaut, presente na sala, o líder do PS fez uma defesa acérrima do SNS, estendendo essa defesa à escola pública e à protecção social. “Nós defendemos o Serviço Nacional de Saúde não por capricho, mas porque representa uma opção ideológica muito clara”. A sala respondeu com uma sonora salva de palmas.

Falando em mangas de camisa, o líder do PS defendeu, na área da saúde a criação de um cluster orientado com estratégia e com sentido de modo a ajudar ao desenvolvimento do nosso país, a criação do enfermeiro de família, bem como de um sistema integrado de informação e gestão de todas as unidades do SNS. E reafirmou que "num futuro Governo socialista, quem trabalha no público não pode trabalhar no privado".

“Vamos criar um forte sistema de incompatibilidades entre dirigentes do SNS", acrescentou. "Uma lista de espera no SNS corresponde a uma carteira de clientes no sector privado". 


Para além das críticas que deixou a Pedro Passos Coelho por ter uma “agenda escondida de cortes”, o líder do PS acusou o primeiro-ministro de ter mentido aos portugueses durante a campanha eleitoral de 2011, lembrando que prometeu que não aumentaria impostos e que não haveria despedimentos na função pública.

E perante uma sala cheia de participantes disse:" O nosso país precisa de um Governo que não iluda os portugueses, que não engane os portugueses por duas razões: porque isso não é política e a segunda razão é porque os portugueses não se deixam enganar e há aí gente séria que sabe governar o país aproveitando as capacidades".