Militares de Abril só vão às comemorações da revolução se puderem intervir

Vasco Lourenço acusa o Governo de tratar “abaixo de cão” as Forças Armadas. Só não faz um segundo 25 de Abril, diz, porque “não há condições – vivemos, formalmente, em democracia”.

Fotogaleria
Raquel Costa
Fotogaleria
Raquel Costa
Fotogaleria
Raquel Costa
Fotogaleria
Raquel Costa
Fotogaleria
Raquel Costa
Fotogaleria
Raquel Costa

Os “capitães” de Abril só aceitam participar nas comemorações oficiais do 40.º aniversário do 25 de Abril, na Assembleia da República, se lhes for dado o direito a exprimir o descontentamento que sentem em relação à situação que o país vive.

“Não gostamos de ser a jarrinha na mesa ou a cereja em cima do bolo”. Foi desta forma que o presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, comentou o convite que lhe foi endereçado pela presidente da Assembleia, Assunção Esteves, para participar nas cerimónias destinadas a assinalar o dia da liberdade.

“Só [há] uma situação em que talvez consiga convencer os meus camaradas a irmos à Assembleia da República, [que] é se formos lá, de pleno direito, e usarmos da palavra na cerimónia”, sublinhou.

Vasco Lourenço, Otelo Saraiva de Carvalho e Martins Guerreiro foram três dos oficiais envolvidos no movimento que derrubou o antigo regime. Neste sábado à noite, a convite da câmara de Loulé, juntaram-se no cine-teatro daquela localidade algarvia para recordar o passado e lançar um olhar critico sobre o presente.

Os três protagonistas reafirmaram as divergências que os separaram há 40 anos, em relação ao rumo que o país deveria tomar, mas disseram estar unidos na contestação à política actual. “Não foi para isto que se fez o 25 de Abril”, afirmou Martins Guerreiro. Acrescentou Vasco Lourenço: “Os que estão no poder agem como se fossem os que foram derrotados no 25 de Abril”.

Por seu lado, Otelo Saraiva de Carvalho defende a democracia directa, popular, embora admita que a força do capital lhe trocou as voltas aos sonhos: “em 1974, nós podíamos ter criado aqui, instaurado um novo regime político”. Porém , reconheceu, “os Estados Unidos não iriam permitir a revolução socialista”.

Do debate, moderado pelo reitor da Universidade do Algarve, António Branco, saíram duas conclusões: “não foi para isto que fizemos o 25 de Abril e, se o povo não aguenta, faça a revolução”. Em relação à manifestação levada a cabo, em Lisboa, pelos militares, Vasco Lourenço, solidário com os camaradas de armas, disparou contra o Governo. “Os militares estão a ser tratados abaixo de cão, por este Governo, de forma absolutamente miserável –  estão a destruir as Forças Armadas”.

Por fim, o oficial que reclama para si o título de ter sido o “maior conspirador” na organização do movimento que levou à queda da ditadura, declarou aos jornalistas: “se sentisse que havia condições já estava a preparar outro 25 de Abril”. Uma das razões porque ainda o não fez, disse, é porque “estamos, formalmente, em democracia – agora não estraguem por completo a democracia, e eles estão de facto a estragar por completo a democracia”.