Algarve pede requalificação da EN125 e recusa portagens na Via do Infante

No dia 22, está marcado um Forum, em Loulé, juntando utentes da Via do Infante do Algarve e Andaluzia unidos pelo “não” às portagens.

As portagens na Via do Infante geraram fortes protestos
Foto
As portagens na Via do Infante geraram fortes protestos Público

Os autarcas algarvios, por unanimidade, declaram ontem oposição ao Governo, manifestando discordância em relação ao plano de investimentos previstos para a região. “O Governo está em incumprimento total para com o Algarve – uma vergonha”, declarou o presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve – Amal, Jorge Botelho (também presidente da Câmara de Tavira), referindo-se às obras de requalificação da Estrada Nacional (EN) 125, abandonadas há mais de dois anos, existindo ainda outros troços que nem sequer chegaram a começar.

A luta contra o estado de abandono em que se encontra a EN 125 e as portagens na Via do Infante (VI) são as duas frentes de combate que a Amal, ontem, na reunião do Conselho Intermunicipal, declarou levar por diante. Para o próximo dia 22 está marcado um Forum, no pavilhão do Nera, em Loulé, juntando utentes da Via do Algarve e Andaluzia, unidos pelo “não” às portagens.

“Vamos lá estar todos”, disse Jorge Botelho, justificando a posição de dureza que anuncia como tratando-se de uma resposta à forma “arrogante” como viu, recentemente, em Faro, o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, apresentar o Relatório Sobre as Infra-estruturas de Alto Valor Acrescentado. O que é prometido no próximo Quadro Comunitário, disse, são apenas dez milhões de euros para os portos de Portimão e Faro. No que diz respeito à ferrovia existe uma “vaga promessa, uma lamiré de melhoria da linha regional, e fica-se por aí”.

Os autarcas criticam o facto de o sector turístico não ser considerado para efeitos de investimentos públicos, uma actividade com grande peso na exportação de serviços, sublinham. “Sem investimento, desqualificamos a oferta”, sublinhou Botelho, lembrando que a EN 125 assume nesse contexto um papel estruturante. O presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau, por seu lado, considera que a “luta deve  incidir sobre a EN 125 porque o país não iria entender haver uma excepção para a isenção de portagens na Via do Infante”. O presidente da Câmara de Aljezur, José Amarelinho (vice-presidente da Amal), considera que a prioridade deve ser a abolição de portagens na VI. Por fim, proclamaram: “Vamos lutar em duas frentes”.