Primeiro-ministro do Kosovo perde apoios antes das eleições

Novo partido "Iniciativa pelo Kosovo" pretende disputar os votos do partido de Hashim Thaci.

Dificuldades para Hashim Thaci garantir a reeleição no Kosovo
Foto
Dificuldades para Hashim Thaci garantir a reeleição no Kosovo AFP/DIMITAR DILKOFF

Os dois principais aliados políticos do primeiro-ministro do Kosovo, Hashim Thaci, anunciaram o abandono da coligação que sustenta o Governo de Pristina e a formação de um novo partido para disputar as eleições legislativas que deverão realizar-se entre Junho e Setembro.

“O Kosovo não está a avançar na direcção certa, os cidadãos estão fartos de ilusões, demagogia e promessas vazias e cansados das incertezas relativas ao seu futuro”, criticou Fatmir Limaj, um deputado do Partido Democrático do Kosovo de Thaci e que será o líder da nova formação “Iniciativa pelo Kosovo”.

Além de Limaj – um antigo comandante do chamado Exército de Libertação do Kosovo que já por duas vezes foi ilibado de acusações por crimes de guerra –, também o porta-voz parlamentar Jakup Krasniqi se desvinculou do partido do Governo. Analistas ouvidos pela Reuters dizem que as duas “dissidências” vêm complicar as perspectivas de reeleição do partido do primeiro-ministro, duramente criticado pela débil situação económica do país e acusado de corrupção e nepotismo.

Apesar de se ter livrado das acusações de crimes de guerra, Fatmir Limaj foi também acusado por corrupção e crime organizado enquanto exerceu o cargo de ministro dos Transportes e Telecomunicações  entre 2008 e 2010, devendo ser julgado em breve num processo conduzido pela missão de Justiça da União Europeia no Kosovo (Eulex).

Em 2008, o Kosovo auto-proclamou unilateralmente a sua independência da Sérvia, que continua a reclamar a soberania da sua antiga província autónoma de maioria albanesa e a resistir a negociar um processo de reconciliação (o que tem impedido o progresso das conversações com vista a uma eventual adesão à União Europeia).

O Kosovo, que esteve quase uma década sob administração das Nações Unidas, é um dos países mais pobres da Europa.