O milionário WhatsApp esteve fora de serviço e pediu desculpa

Serviço foi comprado há três dias pelo Facebook.

Foto
AFP

Às vezes, a tecnologia não funciona. Acontece a todos. O curioso nesta história é o timing: três dias depois de ter sido comprada pelo Facebook, pela astronómica quantia de 13.800 milhões de euros, a aplicação WhatsApp esteve fora de serviço desde o final da tarde e até à noite deste sábado, durante perto de três horas.

O assunto tornou-se um trending topic no Twitter, onde vários utilizadores falaram da inoperacionalidade deste popular serviço de mensagens pela Internet, que tem 450 milhões de utilizadores activos.

O PÚBLICO confirmou que os serviço esteve desactivo. Era possível entrar na aplicação, escrever mensagens, mas não efectuar o envio.

O problema, que afectou, pelo menos, utilizadores em Portugal, Espanha, Alemanha, Reino Unido, Brasil e Canadá, foi resolvido por volta das 23h (hora de Lisboa).

O WhatsApp – que foi criado em 2009 por Brian Acton e Jan Koum, antigos quadros do Yahoo (ambos estavam desempregados e ambos foram rejeitados quando se candidataram a um emprego no Facebook) – já pediu desculpas pela falha, atribuindo-a a problemas nos servidores.

"Pedimos desculpa pelo período de inactividade", disse Jan Koum. "Foi a nossa paragem mais longa nestes anos", acrescentou, atribuindo a falha a um problema num router que afectou em série os servidores do WhatsApp. "Trabalhámos com o nosso fornecedor para resolver o assunto e assegurar que não voltará a acontecer", disse ainda Koum.

Fontes não identitificadas da empresa disseram ao El País que a compra da aplicação pelo Facebook aumentou o fluxo de utilizadores nos EUA, onde o WhatsApp era menos conhecido.

A notoriedade deste crash do WhatsApp está obviamente relacionado com a compra da aplicação pelo Facebook, há três dias.

A aplicação começou por servir para os utilizadores de iPhone definirem um estado, que seria visível para todas as pessoas da lista de contactos, indicando, por exemplo, que estavam numa reunião ou com pouca bateria. Foram os próprios utilizadores que começaram a usar esta funcionalidade como um serviço de troca de mensagens. O WhatsApp decidiu mudar o seu próprio conceito e ir atrás do que as pessoas estavam a fazer. A popularidade disparou.

Actualmente, a aplicação está disponível para iPhone e para telemóveis Android. O primeiro ano de utilização é gratuito. A partir daí, custa um dólar por ano (mas os utilizadores mais antigos podem usar o WhatsApp sem qualquer pagamento).

Os criadores decidiram apostar num modelo de cobrança e afastaram-se da publicidade, que consideram prejudicial para utilizadores e empresas. “Nestes dias, as empresas sabem literalmente tudo sobre nós, os nossos amigos, os nossos interesses e usam tudo isso para vender anúncios”, escreveu Koum no blogue do WhatsApp, em meados de 2012. A afirmação não podia ser mais contrária à estratégia do Facebook, cuja maioria das receitas vêm de anúncios apresentados com base no manancial de informação que a rede tem sobre cada pessoa.

Notícia actualizada às 23h03 de 22/02/2014 e às 18h58 de 23/02/2014 Acrescenta, primeiro, que aplicação voltou a funcionar e, depois, as explicações da empresa.