Foram assassinadas 19 pessoas por dia nas Honduras no ano passado

País com a mais elevada taxa de homicídios do mundo apresentou uma ligeira melhoria, mas as execuções tornaram-se mais violentas.

Os cartéis de droga são responsáveis pela elevada taxa de homicídios nas Honduras nos últimos anos
Foto
Os cartéis de droga são responsáveis pela elevada taxa de homicídios nas Honduras nos últimos anos Daniel LeClair/Reuters

Apesar de a taxa de homicídios ter caído nas Honduras em 2013, o país da América Latina continua a registar a maior incidência de crimes violentos, de acordo com um relatório da Organização das Nações Unidas publicado na segunda-feira.

Num país de 8,5 milhões de habitantes, morreram em média 19 pessoas por dia no ano passado, contra os 20 homicídios diários verificados em 2012. O relatório, da autoria de um instituto apoiado pela ONU e pela Universidade Nacional Autónoma das Honduras, dá conta de uma ligeira descida na ordem dos 6,5% na taxa de homicídios.

De uma taxa de 85,5 homicídios por 100 mil habitantes em 2012, o país passou para uma taxa de 79 no ano passado.

A descida do número de homicídios foi acompanhada, contudo, de um crescimento do número de “crimes atrozes, incluindo mutilações e decapitações, com corpos atirados para as ruas, aterrorizando a população”, afirmou à Reuters Migdonia Ayestas, do Observatório Nacional de Violência.

As Honduras têm sofrido com as alterações às rotas do tráfico de droga, sobretudo pela expansão dos cartéis mexicanos. O país é visto como uma porta de entrada para a droga proveniente da América do Sul e que tem como destino o México e os EUA.

A América Latina tem apresentado as mais altas taxas de homicídios nos últimos anos. Entre 2000 e 2010, a taxa de assassinatos na região cresceu 11%, enquanto na maior parte das regiões do mundo caiu ou pelo menos estabilizou.

O Presidente Juan Orlando Hernández, eleito em Novembro, prometeu mão-de-ferro sobre a criminalidade violenta e garantiu mesmo chamar o exército para controlar as ruas.

Sugerir correcção