Renato Cruz Santos
Foto
Renato Cruz Santos

Abel Pereira, um trompista português na Orquestra Filarmónica de Berlim

Aos 35 anos, o musico português foi convidado para integrar a prestigiada Orquestra Filarmónica de Berlim. Dia 21 de Fevereiro, Abel Pereira apresenta-se como solista num concerto na Casa da Música

O músico português Abel Pereira, 35 anos, ocupa desde Setembro de 2013 o lugar de primeiro trompa convidado na reputada Orquestra Filarmónica de Berlim. "É a realização de um sonho", afirmou o músico ao P3. Dia 21 de Fevereiro, o artista apresenta-se como solista num concerto na Casa da Música, no Porto.

A paixão pela trompa surgiu com apenas 10 anos. “Mal ouvi o som da trompa disse que seria aquele instrumento que ia tocar”, diz. Na altura fazia parte da Escola da Banda de Música dos STCP, então sediada onde é hoje a Casa da Música. “É engraçado, quase 30 anos mais tarde, estar de regresso ao mesmo sítio”.

Aos 11 anos, apresentou o primeiro solo de trompa com o “3º concerto de Mozart”. Sentiu um “misto de emoções”: por um lado a “euforia por estar a tocar um concerto de Mozart” e, por outro, “nervoso miudinho”. “Aí disse que o meu primeiro disco seria os concertos de Mozart… e foi !”, conta Abel Pereira.

Quando está em palco, afirma, que vive o concerto do início ao fim. “Não consigo escolher apenas uma parte”. Admite que é muito bom ouvir os aplausos. “É bom saber que consegui chegar às pessoas, pois quando não acontece, o sentimento é quase como o de um humorista que diz piadas e ninguém se ri”.

Ainda muito jovem diz ter tido o privilégio de actuar com grandes maestros, ter feito parte da Orquestra de Jovens da Comunidade Europeia e ter sido premiado em diversos concursos nacionais e internacionais, como foi o caso do European Master-Prize, em 1998. “Eu amo a música, eu amo tocar trompa e sinto-me realizado por saber que todo o meu esforço tem valido a pena”.

Um cão chamado Mahler 

Começou a estudar música na ARTAVE, depois na ESMAE, onde é professor adjunto, e tirou o seu mestrado Academia de Música de Frankfurt, na Alemanha. Já fez parte de várias orquestras, como é exemplo a Orquestra Portuguesa da Juventude e a Orquestra Sinfónica de Jovens Ibero-America. Chefe de Naipe na Orquestra Sinfónica do Porto, Abel afirma que tem “muita sorte” por fazer parte deste grupo, a Casa da Música.

Conciliar a vida profissional com a vida pessoal é, segundo o músico, “complicado” — principalmente para o seu cão, Mahler, que acaba por sentir muito a sua falta. Abel tem várias actuações agendadas, nomeadamente, no Brasil, Chicago, Washington, Berlim, Lisboa, Rússia e África do Sul. “Já reparou que a minha carreira é mais no estrangeiro do que em Portugal?”, diz.

O músico considera que a crise económica nacional afecta muito a música e, por isso, diz ter pena que o país esteja a perder alguns talentos, visto que no seu próprio país não têm oportunidades.” Neste momento tenho um ex-aluno meu, fantástico, a estudar na Academia de Berlim”, exemplifica.