Portas espera que investimento dos vistos gold supere 500 milhões em 2014

Até finais de Dezembro, Portugal concedeu 471 vistos gold, que se traduziram num investimento de 306,7 milhões de euros no país.

A Euribor a seis meses, muito usada no crédito à habitação, está também numa queda prolongada
Foto
Um estrangeiro que compre um imóvel de, pelo menos, 500 mil euros pode beneficiar de visto gold Fernando Veludo/NFactos

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, prevê que os vistos gold superem “os 500 milhões de euros de investimento” em Portugal em 2014, depois de proporcionarem um investimento de 306 milhões de euros em 2013.

“Creio que será possível superar os 500 milhões de euros de investimento em Portugal através dos vistos gold em 2014, o que será muito positivo para a dinamização da economia”, disse Paulo Portas numa declaração escrita enviada à Lusa.

“Em 2013, a receita para a economia nacional dos chamados vistos gold ficou acima do esperado: 300 milhões de euros. De acordo com a avaliação que fazemos do sucesso do programa em 2014 é credível e sustentado estimar uma receita para o país superior a 500 milhões de euros”, adiantou, depois de esta semana ter sido realizada uma reunião de avaliação do programa que iniciou em 2013 quando era Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros. Para Portas, o crescimento esperado “afirma os vistos gold como um instrumento de recuperação económica”.

Segundo o número dois do Governo, o programa de vistos tem contribuído “de modo não irrelevante para a recuperação do mercado imobiliário em Portugal” e “alguns estudos apontam para um crescimento de 40% em 2013 do volume de transacções de casas em Portugal através desta política e deste investimento”.

Portugal concedeu até finais de Dezembro 471 vistos gold, que se traduziram num volume de investimento de 306,7 milhões de euros no país, segundo fonte do Governo. O programa de vistos tem atraído sobretudo cidadãos da China, Rússia, Angola e Brasil.

Em 2013, o Governo anunciou um novo regime para a concessão e renovação de vistos gold a cidadãos estrangeiros que pretendam investir em Portugal. Esse regime permite que cidadãos de países que não pertençam à União Europeia ou não integrem o Acordo de Schengen garantam uma autorização de residência em Portugal para desenvolverem uma actividade de investimento.

A actividade de investimento, que pode ser promovida por um indivíduo ou uma sociedade, deve decorrer por um período mínimo de cinco anos, prevendo-se opções como a transferência de capital num montante igual ou superior a um milhão de euros, a criação de pelo menos dez postos de trabalho ou a compra de imóveis num valor mínimo de 500 mil euros.