Opinião

Um país que perdeu referências morais tem as praxes que merece

O exercício de humilhação do outro é o desporto preferido dos talk-shows televisivos, não apenas das praxes académicas.

Este país é assim. Ninguém sabe exactamente o que se passou naquela noite no Meco em que uma onda arrastou para a morte seis jovens estudantes, mas em nome do que talvez se tenha passado discute-se acaloradamente se as praxes académicas devem ou não ser proibidas. É a nossa velha tendência para achar que uma proibição resolve tudo, e que uma lei muda o país e as pessoas. É também a nossa irreprimível tendência para nos indignarmos e nos excitarmos, todos ao mesmo tempo, todos em manada – até quando é para criticar o comportamento de manada que é característico das praxes.

Pessoalmente, detesto as praxes. No meu tempo não havia praxes. O que era bom era que os estudantes formassem grupos de teatro ou, melhor ainda, fossem activistas políticos – afinal, era assim no meu tempo.

Podia continuar a repetir frases como estas. Cansei-me de as ouvir por estes dias. Mas não ia a lado nenhum. Não acho que os ideais radicais de muitos dos jovens que, no meu tempo, combateram as praxes e as “queimas das fitas” – e eu estive entre eles – fossem melhores do que a ausência de ideais de muitos dos jovens de hoje, praxados ou não praxados. Não creio que o autoritarismo e o culto pelos chefes que existiam no interior de muitas das organizações radicais dessa época – lembram-se das pinturas murais com o “grande líder da classe operária, Arnaldo Matos”? – revelassem mais cultura democrática do que os exercícios de submissão que caracterizam as praxes.

O meu ponto é outro e é simples: se queremos, e até devemos, discutir as praxes, então convém que também meditemos sobre o ambiente cultural e moral em que medram os seus excessos condenáveis. O problema não é social, como alguns sugeriram, nem tem nada que ver com a actual crise, pois as praxes até renasceram em Portugal numa época de prosperidade e optimismo económico. O problema é mais depressa moral se pensarmos que alguns dos “excessos” que agora nos horrorizam não são tão distintos como isso de algumas “normalidades” que nos entram casa adentro todos os dias.

Como este jornal recordou no domingo passado, a história das praxes é quase tão antiga como a história da universidade. Era mais frequente em Coimbra, mas isso nem surpreende se nos lembrarmos de que era lá que encontrávamos uma maioria de estudantes deslocados e um campus que é o coração da cidade. O ter-se tornado muito violenta em alguns dos novos estabelecimentos do ensino superior não prova que estes são mais pindéricos e desqualificados, pois há praxes ainda mais violentas em algumas escolas de elite, como nos selectos clubes da Universidade de Harvard, para dar só um exemplo.

Ritual de iniciação, a praxe académica também não é muito distinta de outros rituais de passagem, alguns deles vindos da Antiguidade Clássica. Há praxes em clubes, em empresas, em sociedades secretas, havia praxes nas Forças Armadas, há praxes nos casamentos e entre caçadores e pescadores, e todas elas têm um lado tribal – há um preço a pagar, provas a prestar, para entrar para o grupo – e comportam elementos de humilhação e crueldade. E de afirmação da hierarquia. Não estou com isso a justificar os excessos ou sequer a defender essas muitas e variadas praxes, estou apenas a constatar uma realidade antiga e a lembrar práticas que continuam bem presentes em muitos sectores da sociedade. Os estudantes universitários não são, de repente, as ovelhas ranhosas do Portugal contemporâneo.

O que nos indigna, e com razão, não são os acidentes – se é que o que se passou no Meco é resultado de um acidente facilitado por um ritual qualquer. O que nos indigna é a alarvidade, o sadismo, o sexismo, a porcaria, a violência. Só é pena que não indignemos também por a alarvidade se ter tornado cultura dominante e aceite, por encher a programação das televisões, por ganhar às vezes estatuto de arte – já vimos tudo, e já vimos como esse tudo, mesmo o que é deliberadamente ofensivo, seja insusceptível de crítica se provier de um “artista” ou de um “performer”. É a mesma alarvidade que serve para tornar “engraçada” alguma publicidade ou para dar o toque de “irreverência” a tantas canções e que apenas nos arranca um sorriso condescendente. As bebedeiras das “queimas” também não nasceram de geração espontânea, têm antecedentes da cultura dos shots que são servidos sem limites nem regras nos bares adolescentes de todo o país.

Vivemos numa sociedade onde a boa educação é vista como uma coisa antiquada, onde a ideia de cavalheirismo é vilipendiada como sendo reaccionária, onde o insulto grotesco é mais depressa visto como um exercício de liberdade do que como um abuso, onde a exibição pública das misérias da natureza humana garante audiências no prime-time das televisões, onde se aceita essa estranha “normalidade” de as claques dos clubes só se deslocarem rodeadas por polícias, onde se perdeu a noção de que há uma diferença entre vícios e virtudes e reina um relativismo que faz com que tudo se torne equivalente.

O país que se indigna com o sadismo dos duxes veteranoruns é o mesmo país que fez de um romance de contornos sadomasoquistas (ao que me dizem, pois não o li nem tenciono lê-lo) o maior êxito de vendas dos últimos anos. O país político que se exalta a pedir castigo para os jovens universitários é o mesmo que deixou degradar a linguagem política para um nível em que o insulto se tornou corriqueiro e, às vezes, bem visto e aplaudido. O mesmo sucede no interior de muitas universidades, onde há quem não respeite o direito às opiniões diferentes e passe ao ataque pessoal com armas estilísticas que em nada se diferenciam do esterco utilizado nalgumas praxes (ainda na passada sexta-feira isso aconteceu nas páginas deste jornal).

Há aqueles que acham que uma sociedade se molda a talhe de sucessivas investidas legislativas, e por isso já por aí andam a pedir leis e regulamentos. Eu acredito mais nas pessoas e nos combates culturais e morais. Os excessos que existem são crime e como crimes devem ser tratados. Mas o que nas praxes é reflexo da rasquice dominante e da amoralidade pós-moderna não se ultrapassa a não ser começando por dizer que não toleramos a degradação dos valores da civilidade, uma degradação que nos toca todos os dias. Quem é que, por exemplo, ainda se levanta num transporte público para dar o lugar a uma pessoa idosa? É que isso custa um pouco mais do que o único acto de boa educação que parece resistir entre os portugueses, o de dar aos outros a passagem à entrada do elevador...

Quem pensa que se pode viver bem em sociedade sem valores e sem referências morais, à vontade de cada um, sempre a pensar no prazer imediato e irrestrito, só pode esperar uma sociedade reduzida ao código das praxes. É isso que gostava que também estivéssemos a discutir.

Uma despedida e um até já

Comecei a trabalhar no que havia de ser o PÚBLICO em Abril de 1989. Em 2009 passei, por escolha minha, a ser apenas colaborador deste jornal. Cumpri, em todos estes 25 anos, muitos dos meus sonhos, e alguns ficaram por realizar. Agora, com 56 anos, decidi aceitar um outro desafio e partir para um novo projecto editorial construído de raiz. É porventura atrevido, mas sinto que vale a pena. Despeço-me pois dos leitores com um até já. Até daqui por umas semanas. Até ao Observador.

Jornalista, [email protected]