Exportações agro-alimentares para fora da Europa aumentaram 11%

Depois do leite para a China e da carne de aves para os Emirados Árabes, Governo está a acelerar habilitação de produtos para o México, Japão e Coreia do Sul.

As conservas de peixe estão entre os produtos mais exportados pelas empresas nacionais
Foto
As conservas de peixe estão entre os produtos mais exportados pelas empresas nacionais Enric Vives-Rubio

Com o maior cliente a perder poder de compra, os esforços das empresas para conseguirem vender os seus produtos agrícolas e alimentares estão todos focados no mesmo objectivo: exportar para fora do espaço europeu.

Mais de 67% destes bens são comprados por países da União Europeia, mas a estratégia de diversificação está, lentamente, a dar frutos: as exportações extracomunitárias aumentaram 11% entre Janeiro e Agosto deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, somando mais de mil milhões de euros. E, desde 2008, as vendas para fora da UE cresceram 11,3%, atingindo, o ano passado, o valor mais alto deste período: 1.593.618 euros, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística, compilados pela AICEP, a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

Ainda assim, e apesar da crise interna, Espanha continua a ser, de longe, o principal cliente de Portugal, com um peso de 36% nas compras. Entre Janeiro e Agosto, os espanhóis compraram mais 6% de produtos. Na lista dos principais mercados seguem-se Angola, França, Brasil e Reino Unido (este, sim, com quebras de 1,5% face ao ano passado).

Vinho, azeite, conservas de peixe e cervejas de malte são os produtos mais exportados pelas empresas nacionais. Deste top 3, a cerveja disparou 28% entre Janeiro e Agosto, numa altura em que no mercado interno o consumo da bebida caiu para níveis de 1990. Também o azeite registou um aumento expressivo das vendas para o exterior (27,6%), tal como as conservas de peixe (28%), indústria que tem conseguido manter a sua vocação exportadora.

O crescimento das vendas internacionais no sector agro-alimentar está muito dependente da abertura de novos mercados. Por exemplo, conservas de peixe, azeite, vinho, leite e lacticínios são os únicos produtos que Portugal pode exportar para a China. E, no caso do leite, só em finais de Maio as fronteiras se abriram pela primeira vez, depois de o dossier ter sido, finalmente, aprovado, num processo que se arrastava desde 2004.

Questionada pelo PÚBLICO sobre os dossiers de habilitação mais recentes de produtos, fonte oficial desta secretaria adianta que o processo de exportação de carne de aves e de ruminantes para os Emirados Árabes Unidos (EAU) ficou concluído em Setembro. Está em curso a "habilitação de certificação de exportação de carne de porco e suínos vivos" para a China e outros produtos para o México, China, Japão, Coreia do Sul.

A China "aceitou o dossier técnico" apresentado por Portugal para a exportação de porco e suínos vivos e espera-se, agora, a vinda de uma missão chinesa para analisar o sistema de segurança alimentar e de certificação. A Secretaria de Estado da Alimentação acredita que este "será um passo decisivo para a conclusão do processo e consequente início de exportação". Fonte oficial acrescenta que este processo, que arrancou em 2001, foi retomado durante a visita à China, em 2012, de Paulo Portas e do secretário de Estado da Alimentação, Nuno Vieira e Brito.

Mais no PÚBLICO desta segunda-feira e na edição online exclusiva para assinantes.