Casal que tinha a guarda da menina loura acusado de sequestro

Autoridades gregas continuam a tentar identificar "Maria", descoberta durante uma rusga a um acampamento cigano.

Fotogaleria
Testes de ADN confirmaram as aparências, a criança não é filha do casal AFP/Polícia Grega
Fotogaleria
Um poster da menina na associação Smile of the Child, onde se encontra actualmente Reuters
Fotogaleria
A criança quando foi encontrada AFP
Fotogaleria
A mulher que se diz mãe da menina AFP/Polícia Grega
Fotogaleria
O homem que diz que a criança lhe foi entregue pelos pais biológicos AFP/Polícia Grega

A Justiça grega acusou de sequestro e colocou em prisão preventiva os dois elementos do casal que tinha a guarda de uma menina loura de quatro anos, descoberta durante uma rusga policial na semana passada a um acampamento cigano.

O casal – ele de 39 anos, ela de 40 – foi nesta segunda-feira presente a tribunal em Larissa, cidade próxima do acampamento onde a menor foi encontrada na quarta-feira. Além de sequestro, os dois suspeitos são acusados de falsificação de documentos, revelou o advogado Kostas Katsavos à saída da audiência, explicando que em causa está um falso registo de nascimento da criança.

Testes de ADN já realizados por laboratórios gregos confirmam que a criança não é filha do casal – loura e de olhos azuis, a menor não apresenta qualquer semelhança física com nenhum deles. Mas as autoridades não conseguiram ainda determinar quer a sua origem, quer como foi parar ao acampamento.

Em tribunal, o falso pai repetiu a versão de que a menina lhe foi confiada à nascença “pelo seu pai biológico, um romeno de etnia cigana, e pela mãe, também cigana”, explicou Katsavos.

A menina, que responde pelo nome de Maria e terá quatro anos, foi entregue à guarda da associação de apoio a menores Smile the Child, que desde que o caso foi tornado público, na sexta-feira se viu inundada por milhares de telefonemas e emails com possíveis pistas e tentativas de ajuda para chegar aos pais da criança.

As autoridades gregas lançaram um alerta internacional e a Interpol está já a trabalhar no caso que veio, uma vez mais, chamar a atenção para as lacunas nas leis de adopção na Grécia, sobretudo de crianças estrangeiras, fazendo do país um ponto de passagem para o tráfico de menores. Em 2011, uma operação conjunta das polícias da Grécia e da Bulgária descobriu uma rede que levara 17 grávidas búlgaras para a Grécia, para que os recém-nascidos fossem ali vendidos.

Em simultâneo, o caso leva organizações de defesa dos direitos humanos a temer pelo aumento da discriminação dos ciganos na Europa, numa altura em que aumenta a repressão dos elementos desta minoria, seja nos seus países de origem, seja naqueles que, como França, assistiram nos últimos anos à chegada de milhares oriundos da Europa de Leste.