Carlos Abreu Amorim admite abandonar vida política após derrota em Gaia

Candidato da coligação PSD/CDS-PP ficou em segundo lugar, com perto de metade dos votos do PS.

Carlos Abreu Amorim com Marco António Costa, na apresentação da sua candidatura, em Abril
Foto
Carlos Abreu Amorim com Marco António Costa, na apresentação da sua candidatura, em Abril Fernando Veludo/nFACTOS

O candidato da coligação PSD/CDS à Câmara de Gaia derrotado domingo pelo PS, Carlos Abreu Amorim, admitiu esta quarta-feira poder abandonar a vida política e regressar à vida académica, mas só depois de uma “reflexão profunda”.

“Eu não fui capaz de unir o eleitorado natural da coligação Gaia na Frente e portanto tenho de fazer uma reflexão profunda sobre se continuo na vida política ou se regresso à minha vida académica”, afirmou o deputado que nas eleições de domingo conseguiu apenas 19,97% dos votos, contra 38,15% do PS. Carlos Abreu Amorim, que esteve esta quarta-feira na Assembleia da República, na qual é deputado, admitiu que “todas as carreiras académicas [e] políticas têm altos e baixos”, mas “não se deve decidir a quente”. “Por isso é que não digo já o que vou fazer porque acho que devo deixar passar alguns dias”, explicou.

O social-democrata já decidiu, porém, que não ficará em Gaia para assumir o cargo de vereador, referindo ter-se candidatado “com um projecto de governação [que] foi claramente rejeitado”.

“Julgo que não seria coerente com esse projecto eu aceitar agora o lugar de vereador sem pelouro, sem pasta, sem oportunidade de pôr em prática as minhas ideias”, justificou Abreu Amorim para quem “os políticos, todos eles, devem saber ver quando o eleitorado pura e simplesmente não aceita ou rejeita as suas propostas”.

“Há um juízo pessoal e o juízo pessoal é que as minhas propostas não foram aceites, foram recusadas e portanto eu devo agir em conformidade”, continuou.

O deputado lembrou ter ficado “em segundo lugar mas a uma distância muito grande do primeiro”, salientando que o eleitorado natural da coligação “fendeu-se”. “Os votos da coligação Gaia na Frente e do independente dão a vitória, mas julgo que teria havido uma dinâmica de vitória imparável para o eleitorado natural que tem sido o da coligação e que se dividiu em dois”, referiu.