Retoma não significa que a crise esteja a ser ultrapassada

Wolfgang Munchau deixou uma visão pessimista da evolução da crise.

Wolfgang Munchau tem visão negativa da evolução da crise
Foto
Wolfgang Munchau tem uma visão negativa da evolução da crise Raquel Esperança

O editor e colunista do Financial Times, Wolfgang Munchau, disse no encontro Presente no Futuro que o crescimento induzido pelas exportações não é suficiente para ultrapassar uma crise cujas causas de fundo não estão resolvidas.

O crescimento económico que decorre do aumento das exportações, em Portugal e nos países do euro, não será suficiente para inverter a tendência da crise e a zona euro continuará condenada a um crescimento lento enquanto não forem resolvidas as questões da dívida e do sistema bancário, disse ontem o colunista do Financial Times, Wolfgang Munchau, intervindo no encontro Presente no Futuro, organizado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, e que teve início esta manhã em Lisboa.

O influente colunista deixou uma visão pessimista da evolução da crise: defendeu que as instituições europeias tal como estão não conseguiriam lidar com uma falência de um banco como o Lehman Brothers e que cinco anos após o início da crise, as verdadeiras causas desta continuam por resolver, pelo que a alternativa é mais anos de crescimento lento.

Para Munchau, os países da zona euro estão a adoptar uma estratégia de convergência com a Alemanha; todos têm que ser como os alemães e apostar nas exportações.

“Toda a gente está a exportar mais e os países que eram deficitários estão a crescer. Não creio que essa estratégia seja sustentável. Depende de os americanos continuarem a ter grandes défices. E países como a china vão querer importar menos”, disse. “É preciso resolver a crise bancaria para haver crescimento.”

A mesma ideia – de que há uma pequena retoma mas há um “mas” associado a ela . aplica-se ao caso português. Em Portugal houve um aumento de exportações significativo. São as boas notícias e muita coisa mudou nos últimos anos. Mas antes de pensar em crescimento e que a crise acabou, temos que ver onde estamos.”

“Não temos união monetária mas sistema hegemónico que dependa na convergência com a Alemanha sem resolver o problema da dívida. Se não houver solução, a crise durará muito tempo”, referiu, mantendo que é necessário existir um enquadramento que permita a um país sair do euro sem sair da União Europeia. Mas sobre a possibilidade de uma mudança na orientação da zona euro, lembrou que “dentro de quatro anos haverá um outro governo alemão”, uma vez que, perante a expectativa de uma reeleição de Angela Merkel, as coisas vão continuar como estão.

Mas o que a Alemanha possa vir a fazer, seja com que governo for, é visto com cepticismo pelo economista José Manuel Félix Ribeiro, - um dos comentadores da intervenção de Wolfgang Munchau - para quem os germânicos não estão em condições de liderar a Europa do euro. E ninguém os pode levar a mal por isso.

“A Alemanha está a liderar a europa não por vontade própria mas pelo maior erro da política externa francesa dos últimos anos, quando a França pediu a Alemanha que entregue o marco a troco da reunificação alemã”, defendeu. O euro existe por causa desse erro histórico e surgiu num momento em que a Alemanha, consumada a reunificação, achou já não estar obrigada a continuar a financiar a Europa, como se fosse uma reparação pelos custos da II Guerra. Félix Ribeiro acrescentou que a Alemanha construiu um “euro light”, sem mecanismos de defesa eficazes contra crises, “para não lhes virem pedir mais dinheiro”.

Por isso, o euro funciona como uma ilusão. “Quando os portugueses entraram para o euro pensavam que era um avião. Quando a crise começou, compreenderam que era um planador. Não tinha motores”. E acrescentou: “a Alemanha pôs-nos na casa de correcção”.

Félix Ribeiro disse ainda que a Alemanha tem o problema de se pensar a si própria como “uma pequena economia aberta”, enquanto os seus parceiros europeus, menos poderosos, como os britânicos, os franceses, os italianos e os espanhóis, pensam-se como potências médias.

“Alemanha não pode liderar porque pensa e comporta-se como se fosse uma pequena economia aberta, que têm que ter um livro de regras muito rigoroso para não implodir.”

Para Félix Ribeiro, não é a Berlim que os portugueses têm que ir pedir contas pela crise em que se encontram. “A Alemanha faz muito bem em agir da forma como está a agir”. O problema português, disse, e a razão pelo declínio do crescimento do país, é a economia portuguesa “ter deixado de ter uma função na economia global”, por causa da globalização e do alargamento da economia para Leste, que afastou os investidores alemães.

O eurodeputado Paulo Rangel, que também participou no encontro como comentador da intervenção de Munchau, divergiu da análise do jornalista a defender que a retoma, mesmo que ténue, dará espaço de manobra aos decisores para introduzir mudanças políticas.

O social-democrata lembrou ainda que os riscos da crise não são apenas económicos mas políticos. Lembrou os riscos separatistas na Catalunha e na Escócia ou situações de tensão no Leste europeu, entre países como a Hungria ou a Roménia, por exemplo, que teriam conduzido a conflitos armados se não fossem membros da União Europeia.