Menezes renuncia ao cargo de presidente da Câmara de Gaia e fala já do seu sucessor ao Porto

Autarca vai dedicar-se à candidatura no Porto e será substituído em Gaia pela vereadora Amélia Traça

Foto

Encerrado o “folhetim” que marcou até agora a candidatura ao Porto por causa das dúvidas suscitadas pela Lei de Limitação de Mandatos, Luís Filipe Menezes revelou nesta sexta-feira que “nunca perdeu uma eleição por sufrágio directo e universal, mas que há sempre uma primeira vez (…) e anunciou que irá apoiar o seu sucessor.

“Hoje quero anunciar o que tinha de anunciar. Daqui a 12 anos apoiarei, certamente, um candidato que seja apoiado pelo meu partido às eleições, embora eu lhe vá dizer: não te convenças que é com o teu partido que tu ganhas eleições, ganhas eleições se tiveres um projecto que convenças os outros que não são do teu partido, se tiveres políticas que convençam os outros que querem justiça social, harmonia e coesão”, declarou o até agora presidente da Câmara de Gaia.

Luís Filipe Menezes falava numa conferência de imprensa, na sede de candidatura, para reagir, mas “sem triunfalismos” à decisão do Tribunal Constitucional de permitir que um presidente de câmara que tenha cumprido três mandatos autárquicos (ou mais) numa câmara possa candidatar-se a um outro concelho.

Menezes sustentou que daqui a 12 anos se vai retirar. “Na altura própria darei um passo atrás para poder trabalhar em exclusivo, eventualmente, para outros projectos e para deixar que esse candidato trabalhe para outros projectos. Assim, anuncio que a partir de hoje renuncio ao cargo de presidente da Câmara de Gaia para me dedicar em exclusivo à presidência da Câmara do Porto, para já como candidato, a partir do dia 29 de Setembro como presidente”, disse.

Menezes elogiou a decisão do TC e lembrou que desde que há um ano anunciou a candidatura em directo pela televisão ao país, começaram as “suspeições jurídico-formais de que não podia ser candidato”. “O folhetim que se seguiu acabou ontem [quinta-feira]”, afirmou, sublinhando que “nunca deixou de acreditar no Estado de direito, nos nossos tribunais e na seriedade e isenção do nosso Tribunal Constitucional”

Feito o elogio, Menezes agradeceu ao povo do Porto que – disse – “deu corpo, fé e alma” à sua candidatura. “Podemos vencer as eleições, podemos vencê-las, porventura com algum cconforto para dar à cidade as condições de governabilidade de que ela precisa para se impor nesse tal ciclo político de progresso”.

 A seguir pediu ao povo do Porto para lhe dar a vitória.

“Nunca perdi uma eleição por sufrágio directo e universal, há sempre uma primeira vez, eu espero que para mim não haja, tudo farei para que o povo do Porto me dê uma vitória, mas fá-lo-ei com a mesma humildade com que tenho feito até agora, fazendo propostas”, disse.

Com o pedido de renúncia ao cargo de Luís Filipe Menezes, a nova presidente da Câmara de Gaia será a vereadora da Acção Social, Amélia Traça, número três da lista da coligação PSD/CDS-PP e não o actual vice-presidente, Firmino Pereira, como por lapso o PÚBLICO escreveu.