Da Guerra Fria, com amor: fotografias da Lua, de Vénus, Marte e Júpiter publicadas online

O University College de Londres disponibilizou em alta resolução parte do arquivo de imagens e mapas do seu departamento de astronomia.

Detalhe de fotografia da Terra tirada pelo primeiro Lunar Orbiter, em 1966
Foto
Detalhe de fotografia da Terra tirada pelo primeiro Lunar Orbiter, em 1966 NASA/UCL

Em 1966, a União Soviética estava a ganhar a corrida espacial. O primeiro satélite a ser lançado para o Espaço tinha bandeira vermelha. O primeiro homem em órbita, também. Mas, naquele ano, os EUA deram início ao programa Lunar Orbiter e posicionaram-se para o mais alto momento da disputa – a alunagem da missão Apollo 11, em 1969.

As cinco sondas não-tripuladas que os EUA enviaram para a Lua no âmbito do programa Lunar Orbiter, entre 1966 e 1967, foram importantes para fazer o reconhecimento do satélite da Terra e para o sucesso das futuras alunagens. Foi nesse processo que se tiraram as primeiras fotografias da Terra a partir da Lua. Uma delas foi agora disponibilizada online, em alta resolução, pelo University College de Londres (UCL). Não é caso único.

O arquivo de imagens e mapas que a UCL decidiu colocar online, no âmbito do Festival dos Planetas, que acontece na capital britânica de 8 a 13 de Setembro, inclui outras raridades. Além da fotografia retirada do conjunto de imagens captadas pela primeira Lunar Orbiter, em 1966, há ainda fotografias de Vénus, Marte e Júpiter.

Os créditos repartem-se pela NASA e pela agência espacial soviética. As fotografias da superfície de Vénus, onde os EUA nunca pousaram, são um feito soviético. São de 1982 e fazem parte do arquivo da UCL – uma das sete instituições de fora dos EUA para as quais a NASA enviava imagens antes dos dias da Internet – porque, apesar de toda a competição astronómica vivida durante a Guerra Fria, os dois lados trocavam informação entre si.

As fotografias de Marte são norte-americanas. Foram tiradas em 1972 (Mariner 9) e 1976 (Viking 1). Assim como os mosaicos de imagens das luas de Júpiter, obras do objecto feito por seres humanos que mais longe viajou no nosso sistema solar, o Voyager 1. São publicadas como nos originais, de 1979, sem o tratamento que agora se dá às imagens desta sonda, que continua a percorrer o Espaço e que se estima que atinja o meio interestelar em 2015.

Por último, é uma peça britânica que merece a atenção dos cibernautas, que passam a poder descarregar todas estas peças em alta resolução. É um mapa da lua desenhado em 1910 por Walter Goodacre, muito detalhado, que em papel tem 1,78 metros de comprimento. Na versão digital, passou a ser uma imagem com 400 megapixéis.