Obama discute vigilância e privacidade com presidentes da Apple e AT&T

Pelo menos duas reuniões realizadas na Casa Branca nesta semana, uma das quais liderada pelo próprio Presidente dos Estados Unidos.

Foto
Na reunião com o Presidente norte-americano esteve também Vint Cerf, considerado um dos pais da Internet Jason Reed/Reuters

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reuniu-se nesta semana com os líderes de algumas das maiores empresas de tecnologia do país, como a Apple, o Google e a AT&T, para discutir assuntos relacionados com os programas de vigilância norte-americanos e a privacidade online.

Os encontros, que decorreram na terça-feira e na quinta-feira, foram preparados em segredo e nada se sabe sobre o que foi discutido, mas o site do jornal Politico avança que a Casa Branca tem promovido reuniões com representantes de empresas, dos serviços secretos e activistas de organizações de defesa da privacidade online.

De acordo com o Politico, foi pedido segredo às personalidades que estiveram em ambas as reuniões. Apesar de serem secretos, os encontros surgem na sequência da promessa da Administração Obama para tornar mais transparente a discussão sobre os programas de espionagem divulgados pelo analista informático Edward Snowden.

A reunião de quinta-feira foi liderada pelo próprio Presidente, Barack Obama, e contou com a presença do presidente executivo da Apple, Tim Cook; do presidente executivo da operadora de telecomunicações AT&T, Randall Stephenson; e Vint Cerf, vice-presidente da Google e considerado um dos pais da Internet.

A reunião de terça-feira foi liderada pelo chefe de gabinete da Casa Branca, Dennis McDonough, e pela conselheira Kathy Ruemmler. Os dois responsáveis ouviram representantes do Conselho da Indústria da Tecnologia de Informação; do grupo de pressão TechNet; e da associação TechAmerica, que defendem os interesses de empresas como Google, Facebook, Microsoft e Yahoo, entre outras. Para além de responsáveis do sector, foram também convidados representantes da União Americana das Liberdades Cívicas e do Centro de Privacidade Electrónica, que defendem a privacidade dos dados online.

Questionado pelo Politico sobre o que foi discutido na reunião de terça-feira, um responsável da Casa Branca, citado sob anonimato, disse apenas que foi "uma de muitas discussões que a Administração está a manter com especialistas e accionistas, em resposta à instrução do Presidente para que haja um diálogo nacional sobre a melhor forma de proteger a privacidade na era digital, incluindo o respeito pela privacidade enquanto se defende a segurança nacional".