Seguro reage a Passos "com silêncio" para não perturbar o diálogo

Líder do PS "não cede nas suas convicções", frisou o dirigente socialista Álvaro Beleza.

O secretário-geral do PS afirmou esta sexta-feira que reage com silêncio às declarações do primeiro-ministro, alegando querer alcançar um bom acordo e não pretender perturbar o processo de diálogo em curso com PSD e CDS.

António José Seguro falava aos jornalistas à entrada para a sede nacional do PS, depois de confrontado com as posições assumidas pelo líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, durante a reunião do Conselho Nacional do PSD, na quinta-feira à noite.

"Eu reajo com silêncio às declarações do presidente do PSD e primeiro-ministro, porque é em silêncio que tenho estado durante todo este processo de diálogo interpartidário. Entendo que os líderes partidários devem ser os primeiros a dar o exemplo, o exemplo de responsabilidade, para que nenhuma das suas palavras possa perturbar aquilo que todos nós desejamos: Alcançar um bom compromisso para ajudar os portugueses num momento difícil da vida política nacional", respondeu o secretário-geral do PS.

António José Seguro insistiu que a atitude decorre da exigência de "sentido de responsabilidade".

"Vou manter-me em silêncio até ao final", acentuou, antes de ser interrogado se considera que as palavras de Pedro Passos Coelho estão a perturbar o processo de diálogo interpartidário proposto pelo Presidente da República.

"Os portugueses saberão avaliar todo este processo. Nós estamos de boa-fé e eu considero que manter o silêncio é uma expressão dessa minha boa-fé e, para além disso, é uma expressão de responsabilidade - e responsabilidade é o que os portugueses exigem de todos políticos", alegou o líder socialista.

António José Seguro reiterou depois que o PS "está empenhado em alcançar um bom compromisso para resolver os graves problemas do país", como o desemprego, quebra de rendimento nas famílias e falências de empresas.

O dirigente socialista Álvaro Beleza, também à entrada da sede do PS, acrescentou que o secretário-geral não cederá a pressões e está empenhado em alcançar "um bom acordo" no processo de diálogo proposto pelo Presidente da República com PSD e CDS.

"Apesar de todas as pressões para que não entrasse no processo de diálogo proposto pelo Presidente da República, para que não dialogasse com o PSD e com o CDS e para que não chegasse a qualquer solução, António José Seguro não cede e está empenhado na obtenção de um bom acordo para Portugal", declarou Álvaro Beleza.

O membro do Secretariado Nacional do PS frisou que se desconhece ainda "qual será o resultado" do processo de diálogo com o PSD e com o CDS.

"Mas há uma coisa que tenho a certeza: António José Seguro não cede nas suas convicções, tem perfeita consciência do estado do país e pensa sempre primeiro em Portugal", acrescentou o dirigente socialista.

 

Sugerir correcção