Schaüble lamenta demissão, mas elogia o “bravo lutador” Vítor Gaspar

Ministro alemão das Finanças felicita escolha de Maria Luís Albuquerque por esta ser “um dos seus mais próximos aliados”.

Foto
Vítor Gaspar com Wolfgang Schaüble em Berlim, a 23 de Maio Thomas Peter/Reuters

“Lamento a decisão do meu colega e amigo Vítor Gaspar. Ele e a sua equipa foram decisivos para recolocar Portugal o caminho certo da recuperação económica. Eles garantiram que os investidores recuperassem a confiança em Portugal”, diz o líder da pasta das Finanças da maior economia europeia. “Vou sentir falta de um parceiro de confiança e um bravo lutador pela causa do seu país”, adianta ainda o governante alemão.

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, apresentou nesta segunda-feira o pedido de demissão e vai ser substituído pela sua secretária de Estado do Tesouro, Maria Luís Albuquerque, que toma posse na terça-feira, no Palácio de Belém, em Lisboa.

Schaüble elogiou ainda a escolha de Maria Luís Albuquerque, até agora secretária de Estado do Tesouro, para o cargo deixado vago por ministro das Finanças.

“É no entanto bom ver que um dos seus mais próximos aliados irá suceder-lhe. Maria Luís Albuquerque tem sido um agente chave para Portugal e na implementação do programa português e assim na reconstrução da economia portuguesa. É reconfortante saber que Portugal vai manter o caminho e que Maria Luís Albuquerque irá continuar o bom trabalho feito até agora. Congratulo-a, desejo-lhe o melhor”, diz o governante alemão, esperando falar com ela já na próxima reunião do Eurogrupo que acontece em Bruxelas na próxima semana.

Também o Fundo Monetário Internacional (FMI) não está espera que a substituição de Gaspar conduza a mudanças no rumo seguido por Portugal. Fonte oficial do Fundo Monetário Internacional, um dos elementos que compõe a troika de credores internacionais, disse ao PÚBLICO que acredita que “o compromisso das autoridades portuguesas com os objectivos do programa se mantém inalterado”. “Esperamos poder continuar a nossa colaboração próxima com o Governo”, afirma.
 
 

Sugerir correcção
Comentar