EUA espiaram a União Europeia e a ONU

Revista alemã revela infiltração na rede informática e telefónica da representação da UE em Washington e até em Bruxelas, usando dados que diz terem sido fornecidos por Edward Snowden.

Foto
Presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, o primeiro-ministro irlandês Herman Van Rompuy e Durão Barroso: sob escuta? Yves Herman/REUTERS

A revista alemã fundamenta esta notícia nuns documentos da NSA classificados como “estritamente confidenciais”. Num deles, datado de Setembro de 2010, a agência dos EUA descreve como mantinha sob vigilância a representação diplomática da União Europeia em Washington, avança a AFP. Não só eram usados microfones colocados no edifício como a rede informática da representação da EU tinha sido infiltrada. Os correios electrónicos e os documentos internos não tinham, assim, segredos para os norte-americanos.

A representação da EU nas Nações Unidas em Nova Iorque era vigiada mesma forma, dizem os documentos que a Spiegel diz terem-lhe sido fornecidos por Snowden. Os europeus são claramente designados como “alvos a atacar” e as operações da NSA terão até sido alargadas a Bruxelas, sede da Comissão Europeia.

“Há mais de cinco anos”, escreve a revista alemã, especialistas em segurança da UE descobriram um sistema de escutas na rede de comunicações telefónicas e de Internet no edifício Justus-Lipsius, e que conduzia até ao quartel-general da NATO, nos arredores de Bruxelas. Em 2013, a UE confirmou a descoberta de um sistema de escutas telefónicas nas suas representações em vários países, incluindo a França e a Alemanha.

Esta história é mais um embaraço para os Estados Unidos, enquanto se prolonga indefinidamente a situação de Edward Snowden em Moscovo, à espera da resposta do Equador, país ao qual pediu asilo. Este sábado, o Presidente Rafael Correa revelou ter conversado ao telefone com o vice-presidente norte-americano, Joseph Biden, que lhe pediu que recusasse o pedido.

“Falámos do caso Snowden e ele transmitiu-me de maneira muito cortês o pedido dos EUA”, disse Correa numa conferência de imprensa. “Eu transmiti-lhe a posição equatoriana: vice-presidente, obrigada pelo telefonema. Como fizemos no caso de [Julian] Assange com Inglaterra, vamos ouvir toda a gente, mas tomaremos a nossa decisão de forma soberana, ainda que, com o nosso afecto e respeito pelos Estados Unidos, levemos em conta o que diz esse país”.