Microsoft responde às queixas com nova versão do Windows 8

A nova versão retoma o botão Iniciar, mas não o menu com que os utilizadores estavam familiarizados, e permite arrancar o computador no ambiente de trabalho.

O director executivo da Microsoft, Steve Ballmer, na conferência Build
Foto
Steve Ballmer liderou a empresa durante 14 anos Reuters

A Microsoft apresentou nesta quarta-feira, numa conferência destinada a programadores, as alterações e novidades do Windows 8.1. Com esta nova versão, a empresa espera corrigir os problemas que levaram a críticas e ao afastamento de utilizadores.

Respondendo a uma das principais queixas, o 8.1 reintroduz o conhecido botão Iniciar, que estava presente nos sistemas da Microsoft desde o Windows 95. O comportamento deste botão, embora recupere parte do conceito a que os utilizadores estavam habituados, não é exactamente o mesmo. No ambiente de trabalho do Windows 8.1, o botão, no canto inferior esquerdo, permite regressar ao menu Iniciar – que está povoado por todo o tipo de aplicações e funcionalidades – ou, por opção do utilizador, ao mais simples ecrã de aplicações, que oferece uma lista de todas as aplicações no sistema.

Outra mudança crucial é o facto de a Microsoft permitir que o computador arranque directamente noutro ecrã que não o ecrã Iniciar, o que inclui o ambiente de trabalho.

O Windows 8 foi concebido para lançar a Microsoft na era dos tablets. Chegou ao mercado no final do ano passado como uma plataforma tanto para computadores tradicionais como para dispositivos com ecrã sensível ao toque. Mas o corte radical no que diz respeito ao interface de utilização levou a queixas de utilizadores e críticas de especialistas. Analistas da IDC e da Gartner já afirmaram que o sistema contribuiu mesmo para o acentuar da queda de vendas dos computadores pessoais, um fenómeno que já se vinha a registar. A Microsoft diz ter vendido 100 milhões de licenças do 8 nos primeiros seis meses, mas parte destas licenças podem ainda estar instaladas em equipamentos que estão à espera de ser comprados.

Entre outras novidades, o Windows 8.1 surge também com uma pesquisa cujos resultados passam a mostrar aplicações, funcionalidades do sistema, páginas da Internet e ficheiros (tanto guardados no disco, como no SkyDrive, o serviço de armazenamento online da Microsoft).

Uma outra mudança permite agora que um máximo de quatro aplicações da nova interface sejam mostradas em simultâneo, em vez do limite anterior de duas (o ambiente duplo do Windows 8 permite usar as aplicações em janelas tradicionais quando o utilizador está no ambiente de trabalho, bem como as novas aplicações, que só podem ser obtidas a partir da loja da Microsoft).

Os mosaicos no ecrã Iniciar (que, para além de abrirem aplicações ou funcionalidades, também mostram informação, como o número de emails recebidos ou o estado do tempo) passam a poder ser configurados para novos tamanhos, algo que a Microsoft já fizera no sistema para telemóveis, quando actualizou o Windows Phone.

O Windows 8.1 estará disponível no final do ano, ainda sem uma data anunciada. Por ora, os utilizadores podem descarregar uma versão ainda não finalizada.

As acções da Microsoft no Nasdaq fecharam a subir 2,05%, nos 34,36 dólares, acima da média do Nasdaq, que terminou o dia com ganhos de 0,85%.