Garzón decide não representar Snowden

Jovem norte-americano continua na zona de trânsito do aeroporto de Moscovo, onde chegou no domingo.

Snowden pode estar neste hotel, na zona de trânsito do aeroporto
Foto
Snowden pode estar neste hotel, na zona de trânsito do aeroporto Tatyana Makeyeva/Reuters

O antigo juiz espanhol Baltazar Garzón decidiu “não assegurar a defesa dos interesses de Edward Snowden”, o antigo consultor informático norte-americano que revelou o extenso programa de vigilância das comunicações de telefone e Internet por parte da Agência de Segurança Nacional (NSA) norte-americana.

Garzón tinha confirmado na segunda-feira que recebera um pedido de Snowden para o defender, explicando que ia estudar o dossier antes de tomar qualquer decisão.

Já durante o fim-de-semana, quando se soube que Snowden deixara Hong Kong acompanhado de membros da WikiLeaks, o ex-juiz, que é director legal da organização e advogado seu fundador, Julian Assange, fez uma declaração em defesa do norte-americano. “Estamos interessados em preservar os direitos do sr. Snowden e protegê-lo enquanto pessoa. O que está a ser feito ao sr. Snowden e ao sr. Julian Assange — por terem feito ou facilitado revelações no interesse público — é um ataque contra as pessoas.”

Afinal, o escritório de advogados do espanhol decidiu não se envolver neste caso, continuando “a representar o sr. Assange e a WikiLeaks na defesa do direito fundamental à liberdade de informação e de expressão”.

Acusado de espionagem e roubo de informação classificada, Snowden pode ser condenado a 30 anos de prisão nos Estados Unidos.

Em Moscovo desde domingo, o jovem ainda não deixou a zona de trânsito do aeroporto – segundo as autoridades russas, não tem documentos válidos; Washington anunciara ter revogado o seu passaporte. Mas o Presidente russo, Vladimir Putin, também já disse que não o extraditará para os EUA.