Google usa balões gigantes para testar acesso a Internet

Projecto pretende ensaiar a conectividade em zonas remotas. Experiência na Nova Zelândia arrancou com 30 balões que vão estar no ar durante 100 dias.

Fotogaleria
Preparação do lançamento de um balão, em Geraldine, na Nova Zelândia Project Loon/Google
Fotogaleria
O equipamento está preparado para mudanças de temperatura Project Loon/Google
Fotogaleria
Os balões insuflam até 15 metros de diâmetro Project Loon/Google
Fotogaleria
Os balões têm na parte inferior um painel solar Project Loon/Google
Fotogaleria
Depois da Nova Zelândia, a equipa do Project Loon quer experimentar o projecto noutros países Project Loon/Google

Hayden MacKenzie ficou sem reacção. Atendeu o telefone e do outro lado da linha alguém perguntava se queria entrar num projecto secreto. Ligavam da Google. Mas só quando um grupo de desconhecidos chegou à pequena comunidade de Geraldine, no leste da Nova Zelândia – para ali experimentar o lançamento de grandes balões que permitem o acesso à Internet – é que este agricultor começou a assimilar a dimensão e o alcance da chamada que recebera.

Já não é segredo. MacKenzie pode contar, como o fez à revista Wired, o corrupio daquela comunidade com a equipa do Project Loon, que neste sábado anunciou o lançamento naquela região de 30 balões gigantes, equipados com um sistema de retransmissão do sinal de Internet.

A recepção está a ser testada, de forma experimental, em 50 locais de Canterbury onde o acesso à Internet é difícil. A ideia da Google é essa: experimentar a conectividade a zonas remotas, que durante 100 dias vão receber Internet a velocidades que a empresa diz serem comparáveis ou mesmo superiores às de 3G.

Os balões, feitos de plástico, insuflam no ar, chegando a ter até 15 metros de diâmetro, e são transportados pelo vento “até altitudes duas vezes superiores às dos voos comerciais”, explica o Project Loon, criado há dois anos em incubação no Google X, o laboratório secreto do grupo norte-americano.

Com um sistema de controlo de altitude à distância é possível colocar os balões nas zonas onde, em determinado momento, melhor conseguem transmitir sinal para terra. Na parte inferior dos balões está acoplado o sistema de transmissão e todo o equipamento electrónico, assim como um painel solar gerador de energia.

Hayden MacKenzie e a mulher, Anna, foram os primeiros a experimentar a conectividade, na manhã de quinta-feira. Antes, à Wired, que acompanhou no terreno a equipa do Project Loon, Hayden não escondia a surpresa de estar a colaborar com uma equipa incrustada na Google.

Os balões usados pela Google, que mantêm o volume relativamente estável mesmo perante mudanças de temperatura, são inspirados num conceito com décadas, refere a BBC. A ideia que lhes serve de base foi já experimentada pela NASA, tendo sido desenvolvido para a Força Aérea norte-americana nos anos 1950.

Para garantir a conexão de Internet, a Google associou-se a um operador de telecomunicações neozelandês. Depois da experiência neste país, a equipa espera testar o projecto na Austrália, África do Sul, Uruguai e Chile, refere a AFP.