PSD exige que Paulo Portas apresente “alternativas” aos cortes nas pensões

Jorge Moreira da Silva lembra que os dirigentes partidários terão que ser capazes de demonstrar que são capazes de “colocar o interesse nacional acima do interesse partidário”.

O vice-presidente do PSD tentou colocar o PS entre a espada e a parede
Foto
PSD e CDS criticam o protagonismo de Mariana Mortágua Nuno Ferreira Santos

As declarações de Paulo Portas, manifestando-se “politicamente incompatível” com os cortes nas pensões, beliscou a estabilidade da coligação. O vice-presidente do PSD, Jorge Moreira da Silva, em Faro, desafiou o parceiro de coligação a apresentar alternativas: “Estamos todos responsabilizados quanto à necessidade de encontrar propostas alternativas na eventualidade de discordarmos delas”.

O coordenador das autarquias do PSD falava aos jornalistas no final da apresentação da candidatura de Rogério Bacalhau a presidente da Câmara de Faro, tendo traçado um conjunto de ideias relacionadas com o sector do ambiente para relançar a economia na região e no país. Mas o essencial, nas actuais circunstâncias, é definir “como é que podemos concluir o memorando de entendimento o mais depressa possível, como podemos regressar aos mercados e como podemos criar um modelo de desenvolvimento”. Para que tal aconteça, sublinhou, “os portugueses não podem ser convocados para questões laterais”, e os dirigentes partidários terão que demonstrar que são capazes de “colocar o interesse nacional acima do interesse partidário”.

Por fim, Moreira da Silva deixou um desafio ao líder do PS, António José Seguro, para que apresente alternativas aos cortes anunciados pelo Governo. “Espero que ele possa dizer qual a estratégia para o equilíbrio orçamental, para o crescimento sustentável”. Seguro vai estar na noite desta sexta-feira em Faro, num jantar de apresentação do candidato socialista a presidente do município, Paulo Neves.