Sócrates diz que Cavaco é agora “a mão que sai detrás do arbusto”

Antigo primeiro-ministro não poupou Cavaco pelo seu discurso no 25 Abril. Já do congresso do PS gostou da unidade.

José Sócrates tem regresso previsto a Portugal em Abril
Foto
Sócrates não poupou Cavaco Pedro Cunha

José Sócrates considerou este domingo que o discurso de Cavaco Silva no 25 de Abril foi “um desastre” e que o Presidente da Republica “era a mão atrás do arbusto” e agora é “a mão que sai detrás do arbusto”. Acusou-o ainda se ser manipulador.

No seu habitual comentário na RTP1, o antigo primeiro-ministro disse que Cavaco perdeu “a credibilidade para agir na actual situação com isenção”. “Perdeu o papel moderador”.

José Sócrates lembrou ainda palavras do Chefe de Estado em 2011, quando ele era primeiro-ministro, apontando contradições com o que diz agora: “Em 2011 não havia crise internacional, em 2013 pode-se justificar tudo com a crise internacional. Em 2011 incentivou a uma crise política, agora não quer crise política.”

Sobre o facto de Cavaco ter afirmado que era indiferente ganhar ou perder eleições se não houvesse consensos, Sócrates considerou que essa afirmação não é própria “da cultura democrática”.

O socialista acusou ainda o Presidente de “manipulação” ao dizer aos portugueses que o memorando com a troika em vigor é o mesmo assinado há dois anos.

Sócrates comentou as eventuais divisões no Governo sobre os cortes na despesa, considerando que, o que se tem passado, representa “um espectáculo deprimente” e “indecoroso”.

Elogios ao PS

O que agradou a Sócrates foi o congresso do PS que terminou este domingo. O antigo primeiro-ministro diz que foi conseguida unidade “com mérito da liderança”.

“A unidade é mais fácil de se conseguir no poder que na oposição”, afirmou para acentuar que há unidade na oposição e desunião no Governo.

Para o antigo secretário-geral do PS, neste congresso “começou a desenhar-se uma alternativa política com base na união”.
“Estamos unidos e não há partido que se apresente como alternativa se não estiver unido”, acrescentou.

Sobre o facto de Seguro ter pedido uma maioria para o PS nas próximas legislativas, Sócrates afirmou que “a ambição do PS é sempre a maioria”.

Sugerir correcção