Mamã, de Andrés Muschietti, já está em exibição no circuito comercial português
Foto
Mamã, de Andrés Muschietti, já está em exibição no circuito comercial português

"Mamã", de Andrés Muschietti, vence três prémios no Fantas

Realizador espanhol retoma a história de terror gótico que inicialmente adaptara a uma curta-metragem. "Pietá", de Kim-Ki-Duk, foi o melhor na Semana dos Realizadores

O filme "Mamã", de Andrés Muschietti, uma coprodução hispano-canadiana com a chancela de Guillermo del Toro como produtor, venceu os prémios de melhor filme, melhor realizador e melhor actriz (Jessica Chastain, a mesma de "A Árvore da Vida" e "00:30 Hora Negra") na secção de Cinema Fantástico do 33º Fantasporto.

"Mamã", que abriu a principal secção competitiva do festival no passado dia 1, e entrou também esta semana no circuito comercial português (ver crítica no último suplemento Ípsilon), é o desenvolvimento para uma longa-metragem da história de terror gótico que o realizador tinha anteriormente feito numa curta, mostrada no Fantas de 2008.

Na mesma secção, o Prémio Especial do Júri foi para "O Apóstolo", produção galega assinada por Fernando Cortizo, com música de Philip Glass. O melhor actor foi Toby Jones, em "Berberian Sound Studio", de Peter Strickland (Reino Unido); os melhores argumentistas foram Valentin Mereutza e Alex Schmidt, pelo filme realizado por este último, "Forgotten" (Alemanha). Já "Iron Sky", do finlandês Timo Vuorensola, foi distinguido pelo trabalho do director de fotografia Mika Orasmaa e da sua equipa de efeitos especiais. A lista dos prémios oficiais desta secção conclui-se com a curta-metragem "Hotel", do espanhol José Luis Aleman.

Os filmes "Pietá", do realizador sul-coreano Kim-Ki-Duk, e "White Tiger", do russo Karen Shaknazarov, estiveram em evidência na Semana dos Realizadores. O primeiro arrecadou o Prémio Manoel de Oliveira (melhor filme) e o de melhor actriz (Lee Jung-Jing). "White Tiger" mereceu os prémios Especial do Júri, de melhor realizador e de melhor actor (Aleksey Vertkov). Ainda nesta secção, o holandês Boudewijn Koole venceu, com Jolein Laarman, a distinção de melhor argumento, por "Kaunboy", realizado pelo primeiro.

Os prémios Orient Express foram para a Coreia do Sul: "The Grand Heist", de Kim-Joo-Ho, foi o melhor filme, e "The Weight", de Jeon Kyu-Hwan, recebeu o Prémio Especial do Júri.

Na lista das distinções não-oficiais, o Prémio da Crítica foi para "The Seasoning House", do britânico Paul Hyett; o do Público foi para"Thale", de Aleksandre Nordaas (Noruega).

A direcção do Fantasporto atribuiu ainda o Prémio Carreira ao realizador português António de Macedo, e prestou homenagem a Manoel de Oliveira, na passagem dos 70 anos sobre a estreia de "Aniki-Bóbó" (1942). Na secção exclusivamente dedicada ao Cinema Português, foi distinguido do documentário de Luís Moya, "Mia Mia Sudan Tamam Tamam", sobre o povo do Sudão; e "Restart", trabalho colectivo do Instituto de Criatividade, Artes e Novas Tecnologias, de Lisboa (Prémio Escolas de Cinema).

O festival tem este sábado à noite a cerimónia de entrega dos prémios, em que será exibido "Mamã". Amanhã, os dois auditórios do Teatro Rivoli exibirão uma selecção dos filmes distinguidos.