Torne-se perito

Matadouro e fábrica suspeitos na fraude da carne de cavalo encerrados no Reino Unido

Carne e documentos apreendidos no Norte de Inglaterra e no País de Gales. O caso vai ser discutido esta quarta-feira em Bruxelas numa reunião dos responsáveis da Saúde da União Europeia.

Primeiras suspeitas recaíram sobre fornecedores de carne romenos
Foto
Primeiras suspeitas recaíram sobre fornecedores de carne romenos Daniel Mihailescu/AFP

A rede da fraude com carne de cavalo em ultracongelados rotulados como vaca começa a alastrar. Nesta terça-feira, a Agência para as Normas Alimentares (FSA) do Reino Unido e a polícia britânica realizaram buscas nas instalações de um matadouro em Todmorden, no Norte de Inglaterra, e numa fábrica de processamento e preservação de carnes perto de Aberystwyth, País de Gales. Ambos foram encerrados.

Suspeitos de terem fornecido a carne de cavalo, ou de participarem no embuste, o matadouro Peter Boddy e a Farmbox Meats Ltd viram todo o seu material apreendido e a actividade suspensa. Foram confiscadas as carnes, assim como toda a documentação existente nos locais, inclusive listas de clientes.<_o3a_p>

“A FSA suspendeu as operações de ambas as instalações. Tanto a polícia de West Yorkshire [Inglaterra] como a de Dyfed-Powys [País de Gales] entraram nas instalações com a FSA. Foi confiscada toda a carne encontrada e apreendidos documentos”, informa, em comunicado, a agência que é a equivalente à portuguesa ASAE.<_o3a_p>

“Ficaria chocado, se estas alegações se comprovarem”, disse o ministro galês da Agricultura, Alun Davies, citado pelo jornal The Guardian. O ministro que tutela o Ambiente no Reino Unido, Owen Paterson, foi mais duro nas palavras. “É absolutamente chocante. É totalmente inaceitável que qualquer empresa esteja a defraudar as pessoas fazendo passar carne de cavalo por carne de vaca. Espero a aplicação máxima da lei em quem quer que esteja envolvido neste tipo de actividade”, disse, segundo o mesmo jornal.<_o3a_p>

A FSA ordenou uma auditoria a todos os matadouros que trabalham com cavalos no Reino Unido, logo após a fraude ter sido revelada, segundo o director de operações da agência, Andrew Rhodes. Foi na sequência dessas auditorias que se levantaram as suspeitas sobre o matadouro Peter Boddy, de onde a carne terá saído para a Farmbox Meats Ltd, que a processaria e encaminharia para o mercado.<_o3a_p>

A fraude foi descoberta quando foi detectada carne de cavalo em lasanhas ultracongeladas da marca sueca Findus, à venda no Reino Unido e na Irlanda, que, publicitadas como carne de vaca, continham afinal 100% de carne de cavalo. No entanto, pode não ficar por aí: a FSA suspeita que possa ter acontecido também na venda de carne para hambúrgueres e espetadas.

Primeiro caso em França
A acção das autoridades britânicas foi conhecida pouco depois de em França, e também nesta terça-feira, a marca francesa Picard ter confirmado a presença de carne de cavalo nos dois lotes de lasanha à bolonhesa e chili com carne retirados do mercado na semana passada. É o primeiro caso em França.

A investigação preliminar aberta em Metz foi, segundo fonte judicial citada pelo jornal Le Figaro, transferido para a autoridade de saúde pública de Paris. A Picard, que garante a qualidade dos restantes produtos no mercado, informou que vai esperar pelos resultados da investigação “para determinar o nível da fraude”.

A Direcção-Geral da Concorrência, Consumo e do Controlo de Fraudes francesa deve divulgar entre quarta e quinta-feira as conclusões do inquérito administrativo que corre paralelamente à investigação criminal.

A fonte das refeições da Picard era a mesma da usada pela Findus, a francesa Comigel. A Comigel cozinha as refeições depois de comprar a carne através de outra empresa francesa, que usa por sua vez ainda outra firma para comprar a carne na Roménia.

Há, entretanto, indícios de que veterinários e outros responsáveis por controlar a qualidade na indústria alimentar, ao nível dos matadouros e nas fábricas onde são transformados os alimentos, são intimidados para dizerem que se trata de carne de vaca, quando a carne usada é de cavalo. Esta é mais barata e, por isso, é lucrativo usá-la numa fraude.

O caso da “carne de cavalo por vaca” vai ser discutido nesta quarta-feira em Bruxelas numa reunião dos responsáveis pela Saúde da União Europeia.

Em Portugal, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) fiscalizou 53 estabelecimentos, entre 22 e 24 de Janeiro, e “não foram detectadas irregularidades semelhantes às das notícias em Inglaterra e na Irlanda”, disse na sexta-feira à Lusa fonte oficial do Ministério da Economia.

Sugerir correcção