Número de novos casos de cancro impede mortalidade de baixar

Em 2011, o cancro foi a causa de morte de 25.593 pessoas, com o número de novos casos a crescer.

Foto
Um dos objectivos é aumentar os rastreios a nível nacional Paulo Ricca

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2011 o cancro foi a causa de morte de 25.593 pessoas em Portugal, o que representa mais 611 casos do que no ano anterior e aproxima a mortalidade desta doença da que é registada nas doenças do aparelho circulatório.

Nos últimos dez anos estima-se que a subida no número de mortes seja da ordem dos 17%, sendo que nos próximos 20 a 40 anos tanto o número de novos casos como a mortalidade associada a estas patologias podem duplicar.

Quanto ao tipo de tumores, os cancros do cólon, recto e ânus estão entre os que mais matam, assim como os cancros da laringe e brônquios, o cancro do pulmão e do estômago. No caso do cancro do pulmão, é de notar que estão a surgir mais casos entre mulheres.

No Dia Mundial de Luta contra o Cancro, o director do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas, Nuno Miranda, citado pelo Jornal de Notícias, assegurou que estão em curso diligências para alargar os rastreios existentes no país, já que o diagnóstico precoce é essencial para reduzir a mortalidade nos vários tipos de cancro. O responsável admite também que, depois de feitos todos os levantamentos nos hospitais do país, se façam alterações à rede oncológica nacional.