Última chamada de embarque para a Antárctida

A campanha de 2012-2013 à Antárctida tem esta terça-feira um dos pontos altos, com a partida de um avião, alugado pelo Programa Polar Português, de Punta Arenas, no Sul do Chile, para a ilha do Rei Jorge, um dos principais pontos de entrada no Sul. Transportará a última leva de cientistas da campanha portuguesa deste ano. As alterações climáticas dominam os trabalhos.

O investigador Pedro Pina na ilha do Rei Jorge, Shetlands do Sul, onde está a testar um avião não tripulado
Fotogaleria
O investigador Pedro Pina na ilha do Rei Jorge, Shetlands do Sul, onde está a testar um avião não tripulado e que tem contado as aventura num diário de campanha Projecto Hisurf
O avião não tripulado em testes, para cartografar com alta resolução as zonas livres de neve, desde rochas a musgos
Fotogaleria
O avião não tripulado em testes, para cartografar com alta resolução as zonas livres de neve, desde rochas a musgos Pedro Pina
A base científica King Sejong, que a Coreia do Sul tem na ilha do Rei Jorge
Fotogaleria
A base científica King Sejong, que a Coreia do Sul tem na ilha do Rei Jorge Projecto Hisurf
Outro investigador da campanha antárctica portuguesa de 2012-2013, na ilha do Rei Jorge, onde recolhe amostras para estudo de contaminantes
Fotogaleria
Outro investigador da campanha antárctica portuguesa de 2012-2013, na ilha do Rei Jorge, onde recolhe amostras para estudo de contaminantes Projecto Contantarc
Vista da zona mais povoada na ilha do Rei Jorge
Fotogaleria
Vista da zona mais povoada na ilha do Rei Jorge Alice Pena/Projecto Permachange
Os iglôs espanhóis na ilha de Livingston, onde trabalhou a equipa de Marc Oliva
Fotogaleria
Os iglôs espanhóis na ilha de Livingston, onde trabalhou a equipa de Marc Oliva Marc Oliva/Projecto Holoantar
A equipa de Marc Oliva, do Centro de Estudos Geográficos de Lisboa, a furar o gelo para chegar aos sedimentos de um lago
Fotogaleria
A equipa de Marc Oliva, do Centro de Estudos Geográficos de Lisboa, a furar o gelo para chegar aos sedimentos de um lago Marc Oliva/Projecto Holoantar

“Mas dias como este permitem-nos descansar. Partilhamos uma sala com um escritor sul-coreano, que está aqui a escrever um livro. Não conseguimos perceber que tipo de livro é. Ele não fala inglês, mesmo nada, e nós não conseguimos ler os caracteres coreanos no ecrã do computador dele...” Quando entraram na segunda semana de estadia na base sul-coreana, Lourenço Bandeira contou, no diário de campanha no site do Programa Polar Português (Propolar, em http://www.propolar.org), que se aperceberam de duas coisas: “A primeira é que o reportório de aviso musical das refeições não é nada variado: Journey, Metallica, Queen, Adele e... música clássica (ainda) desconhecida. A segunda é que, por muito boa que seja a comida coreana, já nos apetecia um bacalhau à Brás (e sem picante, por favor!).”

A base sul-coreana dá para uma enorme baía e do lado de lá daquela água toda agora descongelada no Verão austral, mas que no Inverno congelará, concentra-se grande parte da agitação da ilha do Rei Jorge, no arquipélago das Shetland do Sul. Ou não fosse esta ilha um dos locais mais habitados da Antárctida e uma dos principais pontos de chegada à região, por se encontrar ali um aeródromo, uma base aérea, uma povoação (a Vila Las Estrellas), todos chilenos, e ainda bases científicas do Chile, da Rússia e China e, um pouco mais longe, do Uruguai ou Argentina, além da da Coreia do Sul.

É nesse aeródromo, duas horas e meia depois da partida de Punta Arenas, no Sul do Chile, que aterrará um avião comercial fretado pelo Propolar, representando a segunda vez que Portugal organiza uma campanha antárctica com logística própria.

Em vez de os cientistas portugueses se limitarem a ser convidados nas bases de outros países e só dependerem da sua boleia para lá chegarem, como acontecia até 2011, este voo, pago com cerca de cem mil euros atribuídos pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, também contribuirá para o esforço colectivo de investigação no continente branco. Não só transportará a última leva cientistas desta campanha, iniciada em Novembro, com as equipas desde então a seguirem para vários destinos na Península Antárctica, mas também levará investigadores de outros países. Uma vez na ilha do Rei Jorge, irão para várias bases na ilha e até noutras, como fará Gonçalo Vieira, do Centro de Estudos Geográficos (CEG) da Universidade de Lisboa e coordenador do Propolar, que viajará depois de barco para as ilhas Livingston e Deception, também nas Shetland do Sul. No regresso a Punta Arenas ainda hoje, o avião trará mais portugueses que têm estado na Antárctida, como Pedro Pina, além de equipas de outros países.

Alterações climáticas dominam trabalhos
O que estudam os portugueses? O solo que congela; os peixes que não congelam e como se adaptarão ao aquecimento global; os poluentes que chegam até tão longe; o clima passado; a cartografia de grande resolução de áreas livres de gelo; os polvos e as lulas que alimentam pinguins e albatrozes e como as alterações climáticas influenciam isso; ou os turistas que procuram estes destinos e o impacto que têm aí. Ao todo, 20 cientistas participaram nesta campanha, em nove projectos, frisa Gonçalo Vieira.

Pedro Pina e Lourenço Bandeira, do Instituto Superior Técnico, têm testado um avião não tripulado que capta imagens para avaliar a evolução de uma paisagem marcada pelas alterações climáticas e pelo degelo. Pedro Pina contava como os voos tinham corrido bem e que a qualidade das imagens dava para identificar “cada líquen, pequeno musgo ou pedra”.

A primeira equipa no terreno voltou a Portugal ainda antes do Natal, com 250 quilos de sedimentos na mala para reconstituir o clima de outros tempos da Antárctida, depois de 23 dias a furar o gelo de lagos da ilha de Livingston — e, pelo meio, Marc Oliva, do CEG, e os colegas tiveram de arranjar maneira de proteger as tendas das investidas dos elefantes-marinhos... cavando uma trincheira no gelo.

A propósito de gelo, a equipa de Gonçalo Vieira vai prosseguir os estudos iniciados há mais de uma década sobre o solo permanentemente congelado, ou permafrost, que o aquecimento global está a derreter. Com António Correia (Universidade de Évora) e Ana Salomé, do CEG, Gonçalo Vieira vai recolher dados e fazer a manutenção de equipamentos, como termómetros, deixados em buracos a fazer registos todo o ano. As observações da equipa portuguesa têm contribuído para uma rede mundial de monitorização do permafrost. Além disso, nesta campanha vão fazer um levantamento no terreno das zonas com líquenes, musgos e neve, para comparação com imagens de satélite e a sua validação.

Até Março, quando a equipa de Gonçalo Vieira regressar a Portugal e a expedição deste ano terminar, pode-se ir sabendo das suas peripécias científicas, ilustradas por muitas fotografias como aconteceu até aqui, no diário de campanha no site do Propolar.