"Profunda desilusão" do PS com discurso que “divide mais do que une”

Para os socialistas portugueses a intervenção de Cameron é “uma rendição à política do medo e do egoísmo”

O Partido Socialista (PS) português manifestou uma “profunda desilusão” face ao discurso proferido pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, sobre a União Europeia (UE), afirmando que a intervenção “divide mais do que une”.

“Foi com profunda desilusão que recebemos o discurso sobre a UE do senhor primeiro-ministro David Cameron”, afirmou o secretário nacional para as Relações internacionais e Cooperação do PS, João Assunção Ribeiro, numa carta hoje enviada à embaixadora do Reino Unido em Portugal, Jill Gallard.

Num discurso muito aguardado, o primeiro-ministro britânico prometeu realizar, até 2017, um referendo sobre a permanência ou não do país na UE e alertou que, sem uma reforma da União, o Reino Unido corre o risco de sair.

Na intervenção, Cameron alertou para os problemas da zona Euro e para a “crise da competitividade europeia”.

“Se não abordarmos estes desafios, há o perigo de a Europa falhar e de o povo britânico ser levado em direção à saída”, disse o chefe do Governo britânico.

Para o PS, a intervenção de Cameron é “uma rendição à política do medo e do egoísmo”.

“O Partido Socialista tem renovado o seu profundo europeísmo numa agenda de mudança quer no plano institucional quer no plano político da UE. E sempre contou com o espírito reformista britânico para fazer avançar a Europa num sentido que melhor servisse os nossos cidadãos”, salientou João Assunção Ribeiro.

Na opinião dos socialistas portugueses, o anúncio de Cameron centra o debate na divisão da UE em vez de focar a reforma do bloco comunitário.

“Este discurso divide mais do que une. Divide britânicos e divide europeus. É um apoio à ideia de uma Europa de mercado único e uma desistência na Europa dos cidadãos”, concluiu a missiva do PS.