Supremo ordena detenção do primeiro-ministro paquistanês

O chefe do Governo está alegadamente envolvido num caso de corrupção sobre projectos energéticos.

Raja Pervez Ashraf está envolvido num caso de corrupção
Foto
Raja Pervez Ashraf está envolvido num caso de corrupção Aamir Qureshi/AFP

O Supremo Tribunal do Paquistão ordenou a detenção do primeiro-ministro do país, Raja Pervez Ashraf, no âmbito de investigações sobre um caso de corrupção para a concessão de projectos energéticos na época em que era ministro da Água e da Energia.

Segundo o tribunal, enquanto ministro da Água e da Energia, Ashraf “violou o princípio da transparência, portanto o seu envolvimento na obtenção de benefícios financeiros fora do mesmo, cedendo à corrupção e a práticas corruptas não pode ser anulado”.

Fawad Chaudhry, um conselheiro do primeiro-ministro, disse que a decisão é inconstitucional.

Além da detenção do chefe do Governo, o Supremo ordenou também a detenção de outros 15 acusados, incluindo o antigo ministro das Finanças, Shaukat Tareen.

A ordem de detenção do primeiro-ministro surge num período de grande tensão no Paquistão. Desde segunda-feira que milhares de pessoas protestam no centro da capital, Islamabad, contra a “incompetência” e a “corrupção” das autoridades e a exigir a demissão do Governo.

Ashraf foi nomeado primeiro-ministro em Junho, em substituição de Yousouf Raza Gilani, que obrigado a deixar as suas funções pelo Supremo Tribunal depois de se ter recusado a reabrir um inquérito antigo sobre um caso de corrupção que envolvia o Presidente Asif Ali Zadari, co-dirigente do Partido do Povo do Paquistão (PPP), com Ashraf.