Primeiro-ministro paquistanês afasta governo da província de Quetta

Manifestantes xiitas puseram fim a vigília de três dias e vão enterrar as vítimas dos ataques de quinta-feira.

Fotogaleria
AKHTAR SOOMRO/REUTERS
Fotogaleria
ZOHRA BENSEMRA/REUTERS
Fotogaleria
ZOHRA BENSEMRA/REUTERS
Fotogaleria
ZOHRA BENSEMRA/REUTERS
Fotogaleria
BANARAS KHAN/AFP
Fotogaleria
AKHTAR SOOMRO/REUTERS
Fotogaleria
ZOHRA BENSEMRA/REUTERS

O primeiro-ministro paquistanês demitiu nesta segunda-feira o ministro responsável pela província do Baluchistão, no sudoeste do Paquistão, depois de na quinta-feira mais de uma centena de pessoas terem morrido numa série de atentados contra xiitas em Quetta, capital daquela província.

Milhares de xiitas estiveram durante três dias numa vigília com os corpos das vítimas junto ao edifício onde ocorreu o maior dos atentados, num bairro de maioria xiita de Quetta. Só esse atentado fez 92 mortos e 121 feridos. Os manifestantes exigiram a demissão do governo da província.

“Decidimos impor a lei do governador durante dois meses no Baluchistão”, anunciou o primeiro-ministro, Raja Pervez Ashraf, que se deslocou a Quetta para se encontrar com os manifestantes. “É uma tragédia nacional e toda a nação está de luto”, acrescentou.<_o3a_p>

A governar a província ficará o governador do Baluchistão, com representantes da comunidade xiita.<_o3a_p>

Os manifestantes, que se recusavam a enterrar os mortos enquanto o controlo administrativo da cidade não fosse entregue ao Exército, aceitaram a solução e puseram fim ao protesto.<_o3a_p>

Estes atentados, que foram reivindicados pelo grupo sunita Lashkar-e-Jhangvi, fizeram aumentar a preocupação com a segurança no Paquistão, um país predominantemente sunita onde os xiitas representam 20% da população.<_o3a_p>

Sugerir correcção