Funeral de Paulo Rocha é nesta segunda-feira à tarde no Porto

A Cinemateca Portuguesa homenageia na quarta-feira Paulo Rocha, que morreu no sábado aos 77 anos, com a exibição de Os Verdes Anos

Paulo Rocha morreu este sábado em Gaia aos 77 anos
Foto
Paulo Rocha morreu este sábado em Gaia aos 77 anos Paulo Ricca

O funeral do cineasta Paulo Rocha, que morreu no sábado em Vila Nova de Gaia aos 77 anos, parte esta segunda-feira da Igreja de S. João da Foz, no Porto, para o cemitério do Prado do Repouso, também no Porto, depois das últimas cerimónias funebres, às 15h.

Paulo Rocha morreu na manhã de sábado, dia 29 de Dezembro. Estava internado num hospital privado no Porto, cidade onde nasceu a 22 de Dezembro de 1935.

Ainda nesse dia, a directora da Cinemateca Portuguesa, Maria João Seixas, anunciou que a 2 de Janeiro, às 21h30, haverá uma sessão especial de tributo ao cineasta com a exibição do mais emblemático e conhecidos dos seus filmes - o primeiro e um dos que marcaram o arranque do Novo Cinema Português: Os Verdes Anos, de 1963 (o que altera o alinhamento do programa, cancelando a projecção de Chaimite, de Jorge Brum do Canto).

Maria João Seixas, citada pela Lusa, lamentou a morte do cineasta, mas frisou que o país tem "a sorte" de ficar "com um legado precioso". "Assim o saibamos conservar, preservar e ver.” 

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, a presidente da Associação Portuguesa de Realizadores (APR), Margarida Gil, o realizador Jorge Salaviza e o produtor António da Cunha Telles foram algumas das personalidades que lamentaram o desaparecimento do cineasta.

Entre outros títulos assinados por Paulo Rocha estão A Pousada das Chagas (1972), A Ilha dos Amores (1982), A Ilha de Amorais (1984), O Desejado (1988), Máscara de Aço Contra Abismo Azul (1989), O Rio do Ouro (1998), A Raiz do Coração (2000), As Sereias (2001) e Vanitas (2004).