Ex-gerente do BPN burlou clientes, causando prejuízo de dez milhões de euros ao banco

Investigação que envolve um total de oito arguidos foi agora concluída pela Polícia Judiciária.

A investigação deste caso foi iniciada em 2009
Foto
A investigação deste caso foi iniciada em 2009 Daniel Rocha

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ) anunciou nesta terça-feira a conclusão de uma investigação, iniciada em 2009, que envolve um antigo gerente do balcão do BPN nas Amoreiras, em Lisboa, que ao longo de dez anos burlou vários clientes do banco, causando um prejuízo de dez milhões de euros à instituição de crédito.

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ) anunciou nesta terça-feira a conclusão de uma investigação, iniciada em 2009, que envolve um antigo gerente do balcão do BPN nas Amoreiras, em Lisboa, que ao longo de dez anos burlou vários clientes do banco, causando um prejuízo de dez milhões de euros à instituição de crédito.

O inquérito, dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal, tem oito arguidos suspeitos de falsificação de documentos, burla qualificada, abuso de confiança, fraude fiscal e branqueamento. O ex-gerente foi detido em Agosto de 2011, após uma ausência de dois anos e meio no estrangeiro, tendo ficado preso preventivamente. Acabou, contudo, por ser libertado uns meses mais tarde, estando actualmente em liberdade.

“O modus operandi consistia na angariação de aplicações financeiras para uma instituição de crédito sob promessa de elevada remuneração, sendo depois os fundos desviados por um funcionário daquela instituição para contas de terceiros consigo comprometidos”, explica a PJ, em comunicado.

Ao longo de dez anos, aquele funcionário terá provocado um prejuízo patrimonial a vários clientes do BPN, tendo o banco ficado obrigado a reparar os danos causados de montante global superior a dez milhões de euros.

O ex-gerente ficou com quase 1,2 milhões de euros de clientes, tendo criado um buraco de vários milhões de euros na conta de outros tantos. Isso para conseguir pagar os juros avultados a que se comprometeu e que permitiam manter o balcão das Amoreiras bem colocado nos rankings do BPN.