Bruxelas adia proposta de quota de 40% de mulheres nos conselhos de administração

A Comissão Europeia decidiu hoje adiar, “por algumas semanas”, a proposta para estabelecer uma quota de 40% de mulheres entre os membros não executivos dos conselhos de administração das grandes empresas, disse hoje a comissária europeia da Justiça.

A proposta será agora apresentada “em Novembro, o mais tardar”, afirmou hoje, em Estrasburgo, Viviane Reding, citada pela agência Efe.

A vice-presidente da Comissão Europeia Viviane Reding negou que na origem do adiamento tenha estado a oposição de vários comissários, mas reconheceu que a reunião de hoje em que o assunto foi debatido foi “muito intensa”.

O estabelecimento de uma quota de 40% de mulheres nos membros não executivos dos conselhos de administração seria aplicado nas empresas europeias com mais de 250 trabalhadores e com uma receita anual superior a 50 milhões de euros, explicou hoje à Lusa a eurodeputada socialista Edite Estrela.

A iniciativa conta, no entanto, com a oposição do Reino Unido, Holanda, Bulgária, Letónia, Estónia, Lituânia, República Checa, Hungria e Malta.

Segundo dados de janeiro, citados pela Efe, apenas 13,7% dos membros dos conselhos de administração das empresas europeias eram do sexo feminino.