António Nogueira Leite: se me obrigarem a pagar mais impostos, "palavra de honra que me piro"

Nogueira Leite foi conselheiro económico de Passos Coelho
Foto
Nogueira Leite foi conselheiro económico de Passos Coelho Miguel Manso

António Nogueira Leite, vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), veio juntar-se ao coro de críticas no interior do PSD às medidas de austeridade anunciadas pelo primeiro-ministro na sexta-feira.

Numa mensagem publicada no Facebook, Nogueira Leite escreveu: “Se em 2013 me obrigarem a trabalhar mais de 7 meses só para o Estado, palavra de honra que me piro, uma vez que imagino que quando chegar a altura de me reformar já nada haverá para distribuir, sendo que preciso de me acautelar”.

O social-democrata começa por dizer que o seu “dia de libertação de impostos” foi a 1 de Agosto. “Ou seja, até esse dia tudo o que ganhei entreguei ao Estado. É certo que a queda abrupta de salário contribuiu para tal e ninguém me obrigou a mudar de poiso. Isto só no que respeita a impostos directos”. E conclui o comentário dizendo que esta “não é a condição de homem livre!”.

O economista, que foi secretário de Estado do Tesouro e Finanças no último Governo de António Guterres e conselheiro económico de Pedro Passos Coelho, está na comissão executiva da CGD desde Julho de 2011.

As demonstrações de descontentamento dentro do PSD em relação ao pacote apresentado pelo primeiro-ministro – um aumento das contribuições dos trabalhadores para a Segurança Social e uma redução das contribuições das empresas – sucederam-se nos últimos dias, com Alexandre Relvas, ex-dirigente social-democrata, a dizer que o impacto das medidas “será marginal, quer no emprego, quer nas exportações”. A Juventude Social-Democrata (JSD) e os Trabalhadores Sociais-Democratas (TSD) exigiram equidade na distribuição dos sacrifícios.